Abordagem de Ensino Baseada no Jogo

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

FC BARCELONA "MÉS QUE UN CLUB" PARTE FINAL



Chega ao fim a série de postagens sobre o FC Barcelona "Més que un Club". E nada mais atraente do que escrever sobre a relação entre o FC Barcelona e o garoto Neymar Jr. Em agosto, participei do II Seminário sobre Futebol no Grêmio FBPA, onde o gerente de prospecção do FC Barcelona na América do Sul, Jordi Melero Busquets relatou alguns princípios para ojogador ser contratado pelo FC Barcelona e num desses relatou a opção por Alexis Sanchez ao invés de Neymar Jr.

Hoje o jornalista Fernando Polo do diário Mundo Deportivo escreveu uma matéria:

"Neymar ya sabe en qué debe mejorar para triunfar en el Barça"

El crack brasileño y su familia conocen de primera mano de parte del FC Barcelona cómo debe ir evolucionando su juego para encajar en la maquinaria del equipo de Guardiola.

Debe esforzarse por abrir el campo

Neymar está acostumbrado a jugar con libertad de movimientos en el frente de ataque del Santos. Le sobra calidad para ello y se lo ha ganado. Su tendencia natural es partir de banda izquierda para acabar por el centro, donde tiene más opción de tiro con su pierna buena, la derecha. En el Barça debería cambiar porque aquí los técnicos también le ven partiendo desde la banda pero con la misión de romper hacia dentro, aunque también muchas veces hacia fuera. Es decir, enganchado a la línea de cal y apurando la línea de fondo para centrar hacia atrás. Calidad tiene porque le sobra dribling y, pese a ser diestro, usa muy bien las dos piernas. Pero es un esfuerzo que deberá hacer porque jugar en banda en el Barça ya fue un gran reto para otros cracks que no acabaron de asimilarlo. Henry y Eto'o, sin ir más lejos.

Mejorar en el juego asociativo y la presión

Neymar se ha hecho un nombre con sólo 19 años a fuerza de meter goles y de superar adversarios gracias a su depurada técnica para el regate, el amago y la finta. Eso en el Barça es primordial para un delantero. Como lo es el saber asociarse con sus compañeros. La base del juego del Barça es la posesión del balón, que desgasta al rival y es la mejor forma de defenderse. Una posesión hipnótica basada en la gran calidad de los jugadores de Guardiola para pasarse y pasarse la bola sin que se la quiten. Y cuando el rival está despistado, el golpe: un cambio de juego, o un pase interior letal o una acción personal de alguno de los cracks para asestar el hachazo definitivo y lograr el gol. Neymar debe mejorar porque es un driblador nato y en el Barça deberá regatear menos y pasar más. Como también tendrá que correr hacia atrás cuando pierda un balón y saltar a las presiones como hacen los futbolistas de Pep en fase defensiva. Deberá cambiar de chip porque aquí muerde en defensa y corre hacia atrás hasta Messi.

Concienciarse del juego de posición del Barça

En el Barça, cada jugador sabe en todo momento dónde hay un compañero. Y eso no quiere decir que los futbolistas de Guardiola jueguen siempre en el mismo sitio y en la misma ubicación, sino todo lo contrario. Las permutas son constantes en el Barça, pero lo que está claro es que en cada posición del sistema táctico dispuesto por Guardiola siempre debe haber alguien, con lo que los relevos están a la orden del día y la coordinación debe ser total. Los espacios no se ocupan de forma estática, sino que los jugadores tienen que llegar a ellos. Neymar, por definición, es un futbolista anárquico que en el Barça debería reciclarse. Es algo que se perfecciona jugando y entrenando, pero que ya se puede ir asimilando viendo vídeos del Barça. Y en eso está ya el delantero del Santos.

Paciencia, paciencia y más paciencia

Neymar está habituado a jugarse muchas de las posesiones de balón del Santos. Es lógico, es el mejor del equipo y casi todo el mundo le busca a él, sobre todo en los momentos de máxima tensión. Y el crack se la juega, asumiendo ese rol. En el Barça eso hay que saber dosificarlo. Lejos quedan ya los tiempos en que Leo Messi buscaba el slalom imposible en cada acción porque eso era lo que gustaba a la gente o lo que esperaban algunos de sus compañeros, o porque el mismo se auto-responsabilizaba en exceso. Ahora Leo se dosifica esperando el momento justo para saltar y dar el zarpazo letal. Y no pasa nada porque se pase algún minuto sin aparecer, porque cuando lo hace es en plenitud de facultades. Ese debe ser el espejo de Neymar: si Messi se dosifica, también deberá hacerlo él.

Comportamiento ético acorde al 'estilo Barça'

Neymar ha protagonizado episodios lamentables con técnicos (Dorival Junior acabó despedido del Santos por enfrentarse a él), compañeros (en más de una ocasión ha abroncado a alguno durante un partido o se ha saltado consignas del entrenador en faltas y penaltis) e incluso con rivales (le han acusado de humillar a algún contrario con sus regates de 'free-style' y fue protagonista activo de la tangana con Peñarol en la final de la Copa Libertadores).
Este tipo de comportamientos no caben en este Barça, en que el respeto al cuerpo técnico, a los compañeros y a los rivales es innegociable. Neymar lo sabe y ya parece estar en la línea de actitud correcta, pero cualquier desliz sería interpretado desde ya por el barcelonismo, tanto en el club como por parte de la afición, como una mancha en su expediente. Y no es cuestión de empezar a caer mal en un sitio incluso antes de haber aterrizado en él.

Para muitos brasileiros Neymar Jr já um craque e não existe nada que possa melhorar, mas esquecemos que ele é um menino em formação no futebol (pois só tem 19 anos), lembrando que a formação no futebol vai até os 20 anos. Neymar Jr é sem dúvida alguma a maior revelação do futebol mundial atual, mas compará-lo com outras estrelas do futebol mundial (como muitos jornalistas fizeram antes do Mundial de Clubes) e a torcida exorcizá-lo como estão fazendo pela perda do Mundial para o FC Barcelona é um pouco de mais. Vejam que para contratar o clube precisa ter critérios, não apenas dinheiro e vontade de estar nas manchetes de jornal. Mais uma vez o FC Barcelona têm algo a nos ensinar (não apenas a aula de futebol) mas, também a lógica do plantel e o que o jogador necessita fazer para compor este plantel e não fugir do Modelo de Jogo Criado para a equipe (lembrando que Modelo de Jogo não é o Sistema de Jogo, mas, o que os jogadores devem realizar idividualmente e coletivamente durante os Momentos do Jogo em conformidade com a ideia de jogo do treinador).

No Brasil o que valhe é o peso do empresário, que coloca e retira o jogador dos clubes quando bem quer e os dirigentes apenas dizem Amém, por isso temos o futebol decadente de hoje!

Que 2012 seja o ano da virada para o futebol brasileiro, pois os outros países (incluindo o Uruguai) já despertaram para o futuro! Feliz 2012 a todos que acompanham esse humilde meio de comunicação sobre o futebol!

domingo, 18 de dezembro de 2011

FC BARCELONA "MÉS QUE UN CLUB" PARTE 3


"O Barcelona passa a bola rápido como o meu pai me dizia que o Brasil fazia antigamente."
Pep Guardiola, 2011.

A postagem desta vez sobre o FC Barcelona será no dia que o clube catalão se torna Bicampeão Mundial de Clubes pela FIFA, contra o Santos FC. Conseguindo um placar de 4 X 0 (maior placar desde o novo formato que teve início no ano 2000 para este torneio numa final).

Quando falamos do FC Barcelona, parece que esse clube criou uma forma de jogar até então nunca vista. Mas pra mim, não! O que quero dizer com isto. O grande segredo do FC Barcelona é que, ele conseguiu compilar o que já aconteceu de melhor no futebol mundial em seu Modelo de Jogo. A recuperção da posse da bola (RPB) da Holanda de 1974; a alternância de corredores que tão bem fazem os holandeses; a posse de bola (passes) como o Brasil de 1970 e o Brasil de 1982. Faz isso, desde muito cedo, pois se preocupa em interiorizar esses valores nos seus jogadores desde a formação mais precoce e identifica isso nos seus jogadores, indiferentemente da estatura e porte físico avantajado. Preferem os mais habilidosos e rápidos em execução (domínio e passe).


SO = Setor Ofensivo
STD = Setor de Transição Defensiva
SMO = Setor de Meio Ofensivo
SMD = Setor de Meio Defensivo
STO = Setor de Transição Ofensivo
SD = Setor Defensivo

No campograma acima, estão observações referentes a quantidade de Recuparação da Posse da Bola (RPB) realizadas pela equipe do FC Barcelona no jogo do dia 10/12/2011 contra o Real Madrid CF (em preto no 1º tempo da partida) e de hoje 18/12/2011 contra o Santos FC (em laranja no 1º tempo e amarelo no 2º tempo). Contra o Real Madrid CF o 1º tempo terminou empatado em 1 X 1 (gol do FC Barcelona originado de uma RPB no STO). Contra o Santos FC o 1º tempo terminou 3 X 0 (com dois gols originados de RPB no SMO) e no 2º tempo o gol (originado de uma interceptação no SMD com RPB no STD). Com essas observações eu começo a entender melhor esse fenômeno que é a Posse de Bola do FC Barcelona, que no jogo contra o Real Madrid CF foi de 60% (no campo do adversário) e no jogo contra o Santos FC foi de 71% (733 passes certos, 35 passes errados). O FC Barcelona não apenas têm uma ótima Posse de Bola (como todos nós sabemos), mas a Recuperação da Posse da Bola é o que mais me chama a atenção, pois na maioria das vezes, recuperam a posse da bola no mesmo setor da perda, ou, no setor seguinte, evitando assim a progressão do adversário a sua baliza.

Isso nos mostra que o clube catalão tem bem definido o que espera de seus jogadores tanto coletivamente como individualmente nos momentos do jogo, por exemplo,  sempre pretende RPB o mais longe possível da sua baliza (e consegue), agora pergunto: qual clube brasileiro sabe qual setor do campo mais Recupera a Posse da Bola, Erra mais Passes, Intercepta bolas? E qual é o Modelo de Jogo Adotado pelo clube?




 

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

FC BARCELONA "MÉS QUE UN CLUB" PARTE 2



(continuação)

As afirmações de superioridade nacional dos catalães não eram bem recebidas em Madri. O antigo regime castelhano tratou de colocar os presunçosos em seu lugar. Com o apoio do rei, em 1923 o general Miguel Primo de Rivera tomou o poder e instituiu uma ditadura que prefigurava o franquismo vindouro. Primo de Rivera proibiu a bandeira catalã (que o capitão Puyol usa como faixa de capitão) e excluiu a língua local da esfera pública. Em função de seu papel simbólico, o Barça sofreu inevitavelmente a mesma repressão. Depois que sua torcida vaiou o hino nacional antes de uma partida de apresentação em 1925, o ditador mandou fechar seu estádio por seis meses e multou seus diretores. O governo deixou claro para Gamper que ele deveria deixar a Espanha ou sua família sofreria consequências desastrosas. Gamper partiu. Alguns anos depois, numa crise de depressão, potencializada por suas perdas no crack da bolsa de 1929, ele se suicidou.


Primo de Rivera tinha a mesma agenda de Franco mas sem um aparelho de Estado totalitário para sustentá-lo. Muito previsivelmente, a repressão por ele promovida provocou reações. Ele renunciou em 1930, sendo substituído por uma república democrática imbuída do fervor utópico do entreguerras. Havia, contudo, uma importante diferença entre as atitudes de Franco e as de seu antecessor. Primo de Rivera reagira ao Barça de modo furioso porque era um caudilho clássico, o ditador medíocre que esmagava qualquer dissidente capaz de ameaçar seu frágil poder. Já para Franco a luta contra o Barça assumiu a forma de um combate pessoal de natureza épica. No nível político mais óbvio, ele tinha boas razões para punir os devotados torcedores do clube. A Catalunha havia sustentado por mais tempo a oposição ao golpe. Os habitantes de Barcelona, após anos de contenda industrial pré-guerra civil, tinham se tornado os Henry Ford das construção de barricadas. Embora partes da cidade recebessem Franco de braços abertos, muitos de seus moradores desenvolveram a guerra urbana com um apetite que nem Che Guevara conseguiria igualar. Franco cobrou um preço por essa resistência. Quando a cidade caiu, ele mandou matar um sem-número dos seus oponentes e os enterrou numa cova coletiva no morro Montjuic, onde futuramente se construiria o estádio olímpico.

Mas havia outra razão, igualmente importante, para o ódio que Franco devotava ao Barça. O Generalíssimo acompanhava obsessivamente o esporte e, de modo mais específico, o rival do Barça, o Real Madrid. Era capaz de citar de cabeça as escalações do Real de décadas anteriores e mandava anunciar que descansava em seu palácio acompanhando o jogo da semana pela televisão. (Não por coincidência, a TV estatal reservava ao Real Madrid , em suas transmissões semanais, um espaço muito maior que o de qualquer outro time). Quando assitia aos jogos, ele até arriscava um palpite sobre os resultados.

Franco levou sua vingança pessoal contra o Barça às últimas consequências. Manuel Vasquez Montalbán escreveu: "As tropas de ocupação de Franco entraram na cidade. A quarta organização a ser expurgada, depois de comunistas, anarquistas e separatistas, era o FC Barcelona." No início dos três anos de revolta de Franco, a milícia fascista prendeu e executou o presidente do Barça, Josep Sunyol, de orientação esquerdista, quando ele passava de carro pelas colinas de Guadarrama em visita aos soldados catalães que defendiam Madri, cercada por tropas de direita. Quando os soldados de Franco realizaram um ataque final para conquistar a insubordinada Catalunha, bombardearam o prédio que abrigava os trófeus do clube. Depois demoliram as instalações do Barça, os franquistas tentaram destituir o clube de sua identidade. O regime insistiu em mudar o nome de "Footbal Club Barcelona" para "Club de Football Barcelona", não apenas uma particularidade estética, mas a tradução desse nome para o castelhano. Também insistiu em excluir a bandeira catalã do escudo do time. E isso foi somente o começo. Para supervisionar a transformação ideológica do clube, o regime impôs um novo presidente. Ele devia ser bem adequado para o cargo. Durante a guerra, fora capitão da "Divisão Antimarxista" da guarda civil. No Barça, ele mantinha cuidadosamente copiosas fichas policiais de todas as pessoas envolvidas com o clube, de modo a poder importunar e solapar quaisquer diretores que demonstrassem simpatias nacionalistas latentes.

Nos primeiros anos da era Franco, um evento se destaca nos livros de história. Em 1943, o Barça enfrentou o Real Madrid pelas semifinais da Copa Generalíssimo  Franco. Momentos antes da partida, o diretor de segurança do Estado entrou no vestiário  do Barcelona, uma cena cultuada em Barça, a magistral história do clube escrita pelo jornalista Jimmy Burn. Ele lembrou aos jogadores que muitos deles tinham acabado de retornar à Espanha, de seu exílio em tempo de guerra, graças a uma anistia que perdoava sua fuga. "Não esqueçam de que alguns de vocês só estão jogando pelo genorosidade de um regime que lhes perdoou a falta de patriotismo." Naquela época de repressão, não foi difícil entender o recado. O Barça perdeu por 11 X 1, uma das maiores derrotas da história do clube.

Esse foi o primeiro de muitos favores prestados pelo regime ao Real Madrid, que pareceu retribuir a afeição construindo o seu novo estádio na Avenida Generalíssimo Franco. Segundo alguns, o governo deu ao Real uma ajuda decisiva na contratação do melhor jogador dos anos 1950, o argentino Alfredo di Stefano, embora o Barça já tivesse feito um acordo com ele.

  



terça-feira, 13 de dezembro de 2011

FC BARCELONA "MÉS QUE UN CLUB"


Estamos as vésperas de mais um final de ano (não de temporada na Europa), onde no próximo domingo, poderemos assistir um jogo (que está sendo esperados por muitos amantes do futebol) que será FC Barcelona vs Santos FC. Dois clubes que a história nos mostra, terem feito 7do futebol algo além do esporte. O Santos FC que na década de 60, se tornou o primeiro clube de futebol a ser Bicampeão Mundial Interclubes, onde jogou o Rei do Futebol, Édson Arantes do Nascimento, o Pelé. O FC Barcelona na história recente de clubes de futebol, nos mostra que jogar futebol parece fácil, fazendo do simples (o passe) a sua principal arma.

Com isso, começarei uma série de postagens sobre o FC Barcelona para que possamos começar a entender o fenômeno FC Barcelona. Hoje iniciarei com um pouco da história do clube catalão que explica esse slogan "Més que un Club".

A bandeira do clube é inspirada explicitamente nas cores, vermelho e azul, do estandarte tricolor da Revolução Francesa. No auge da onda anarquista da década de 1930, o Barça tornou-se um coletivo de trabalhadores, um legado que continua. E o que é mais importante, segundo o folclore institucional: o clube foi um heróico centro de resistência à ditadura militar franquista. Somente o Camp Nou fornecia um lugar onde os catalães podiam gritar e bradar contra o regime em sua própria e banida língua. Manuel Vazques Montalbán, um dos grandes escritores espanhóis contemporâneos, publicou um romance sobre o Barça intitulado Offside. Descreveu o clube como "a arma épica de um país sem estado [...] As vitórias do Barça eram como as de Atenas sobre Esparta."

Em 1899, um empresário protestante suiço chamado Joan Gamper uniu-se a expatriados ingleses para fundar o FC Barcelona. É surpreendente que um estrangeiro tenha criado o que seria uma instituição definidora do nacionalismo catalão. Há um explicação simples para a abertura da Catalunha a influências externas: ela se situa no meio do mundo mediterrâneo. Antes do século XV, como parte do reino de Aragão, os catalães haviam aberto caminho para o Leste até Atenas, a Sicília e a Sardenha. Mesmo então, no auge de sua grandeza, os homens mais poderosos da nação eram comerciantes e capitalistas. Barcelona tornou-se uma grande cidade comercial, profundamente entranhada na economia planetária, crescendo até se transformar num gigante industrial. No final do século XIX, só os Estados Unidos da América, a Inglaterra e a França superavam a produção das fábricas de tecido catalãs.

À medida, porém, que avançava economicamente, a Catalunha era submetida à dominação política. O poder político da Espanha, concentrado em Madri, consistia em vários proprietários de terras castelhanos. Os interesses do governo central colidiam com os dos capitalistas de Barcelona. O crescente contingente de nacionalistas burgueses da cidade ressentia-se do fato de os castelhanos usarem o governo para impor a cultura e a língua "espanholas". Também não ajudava o fato de Madri direcionar a política governamental para a proteção da agricultura em detrimento da indústria. Os catalães descarregavam a raiva que sentiam desse arranjo injusto esteriotipando cruelmente os castelhanos e sua capital. Enquanto a Catalunha representava a modernidade e o progresso, Madri era habitada por roceiros sem cultura. Não era uma imagem de todo distorcida. A burguesia de Barcelona provou ao mundo a sua grandeza patrocinando obras momumentais de arte e arquitetura, Gaudí, Doménech i Muntaner, Miró. E, por causa de sua imersão no mundo comércio global, ela abriu auspiciosamente as portas a influências externas.

Joan Gamper e o futebol foram apenas outra importação a se tornar parte do tecido social catalão. A imagem de Gamper naquela terra não foi atrapalhada em nada pelo fato de ele admirar fervorosamente a causa catalã e ter traduzido seu próprio nome, Hans Kamper, para o idioma local. Segundo alguns relatos, Gamper desejava que o clube celebrasse aos catalães e seus sonhos de autonomia. Sob sua liderança, o Barça adotou um escudo contendo as cores nacionais e a cruz de São Jordi, o padroeiro da Catalunha.

(continua)    



sexta-feira, 18 de novembro de 2011

COMENTÁRIOS SOBRE O SISTEMA 1-4-3-3


O sistema de jogo é ótimo para desenvolver uma boa fase de ataque, além de respeitar os cinco princípios de tática ofensiva, garante muito espaço sobre a frente ofensiva oposta que possui só atacante central, assim pode-se criar inserções e recortes (mudanças de direção para as zonas centrais do campo, horizontais) por parte dos meios-campos e dos atacantes da ala, os espaços criados ao lado do centro-avante servem para realizar diagonais e verticais, sempre considerando atentamente a importância do tempo de ação, toda manobra de ataque baseia-se sobre a coordenação de movimento dos três atacantes, que como se observará mais adiante, multiplicam-se as situações ofensivas.

CARACTERÍSTICAS DOS JOGADORES

O centro-avante, deve possuir uma grande presença física, sendo que deverá sustentar todo o peso de frente do ataque, além de ser muito habilidoso ao receber os lançamentos e servirá de apoio para as triangulações e servir de recorte para jogar por trás dos defensores adversários, quando o drible de seus companheiros é realizado para as zonas horizontais do campo.

Os pontas devem se caracterizar pela velocidade, controle e por boa finalização, além de uma ótima habilidade em situações de 1:1. A velocidade deve ser explorada sobretudo quando se ataca em velocidade às marcações centrais adversárias, ou em situações de infiltração com a bola dominada e tocada de pé em pé, o controle é necessário quando recebem a bola de um meio-campo ou qualquer outro jogador, alternando as zonas laterais ou centrais do campo. O sentido de finalização é utilizado para tirar proveito do espaço atrás das linhas defensivas adversárias e penetrar em condições de finalização na área, por isso os três atacantes resultam de fundamental importância e assim se atua no 4-3-3.

O meio-campo criador que atua na frente da sua defesa, é útil na armação das jogadas curtas e longas e colocar a bola no chão, ele deve dar o ritmo adequado à equipe e atuar como “criador das jogadas” de sua equipe, é difícil que se projete na zona de definição (mas não impossível), e é, responsável pelo primeiro combate quando se perde a bola.

Os alas atuam como meias que jogam em todo campo, a característica principal é ser muito versátil, seja na fase de ataque como na zona defensiva. Na fase de ataque, deveriam ser hábeis para posicionar-se, seja nos espaços centrais, ou na diagonal criada pelos movimentos dos pontas, além de possuir uma mentalidade ofensiva permanente, capacidade de penetração, boa finalização e passe, os quatros defensores, sendo que a equipe é obrigada a defender-se com sete jogadores, entre os quatro defensores e os três meias deveram demonstrar ser eficazes na marcação a respeito de quem joga no 4-4-2, além que não é fácil um quinto homem, escalado na parte defensiva, pois será inevitável possíveis encontros de 2:2 no meio campo.

Além de ter uma boa diagonal defensiva larga. Que significa que o primeiro defensor central, fará a cobertura de seus companheiros, a diagonal central ficará mais curta, e os dois zagueiros (esquerda e direita) devem realizar uma marcação escalonada sobre os atacantes adversários.


A PROJEÇÃO E OS MOVIMENTOS DOS 3 ATACANTES


Para realizar uma boa ação de ataque é necessário considerar os fatores reais de tempo, espaço e modo:


● TEMPO: saber sobre todo o momento apropriado para desmarcar-se, por exemplo, quando o jogador que conduz a bola, levanta a cabeça para olhar o panorama do jogo, seja antes de receber a bola, no seu tempo, somente quando o olhar de quem vai passar a bola, vá em direção do receptor, aí sim se realizará o movimento de desmarcação. O movimento de livrar-se da marcação, com uma finta. Tem que ser efetuado este movimento com antecipação, ao jogador que vai assisti-lo, pois é fundamental sincronizar os movimentos necessários para enganar a defesa adversária, em relação ao jogador que conduz a bola.


ESPAÇO: quando se fala de espaços se deve perguntar: onde se desmarcar? Será necessário buscar um espaço vazio, como normalmente vem definida a zona de campo livre, com suficiente espaço para receber o passe.

A disposição de ataque com 3, com um centro-avante, permite ter espaços suficientes para lançar os outros dois.


MODO: através de penetrações em diagonal, que nas ações dos alas se denominam “cortes”, que são efetuados do centros para as laterais do campo, a infiltração em diagonal do atacante leva vantagem de usar seu próprio corpo para a proteção da bola, entre ele e o defensor, que por sua vez perde sua eficácia no intento da antecipação.


Para ter uma precisa sincronização na desmarcação é possível exercitar, por exemplo, implantando três meias que passam a bola entre si, as costas da meta adversária, assim não podem ver o movimento de seus próprios atacantes, quando um dos meias que tem a bola girar para efetuar o passe, o atacante deverá sugerir com um gesto onde enviar o passe, que pode ser através de um movimento de desmarcação em diagonal. Para completar o objetivo do exercício, escolher três espaços do campo onde, três defensores, quando de posse da bola buscam seu companheiro mais próximo, somente quando a bola for jogada, enquanto o atacante estava em liberdade de ação e escolha. O objetivo principal é que o atacante seja treinado para desmarcar-se, apenas a tempo para o local apropriado, as possibilidades de ação do atacante podem ser:



1. Perto do passe da bola;

2. Fintar e receber o passe;

3. Penetrar em velocidade; e

4. Projetar-se na ação ofensiva.


A primeira permite ao ala a direção de receber, pois dando as costas a meta, não pode infiltrar-se em profundidade, por tanto deve apoiar-se para compor o ataque, a segunda direção permite liberar o stopper, se a manobra de entrada é efetuada em velocidade, a terceira direção é eficaz, enquanto o corte vem efetuado as costas do rival, assim resultará em difícil recuperação da marcação, e na quarta situação, penetra-se nas costas do stopper, mas não em vertical a meta, sendo que a um espaço vazio a ser criado, assim que o central vai se deslocar para trás e não ocorrerá a conclusão imediata da ação. Quando o ala recebe a bola o pé, sendo que se encontra em um espaço vazio (zagueiro não acompanhou de perto), tem duas possibilidades: o 1:1 ou a triangulação. Os movimentos de desmarcação do centro-avante devem ser para sair da zona do stopper , posicionar-se no centro do campo, para servir de apoio ao que conduz a bola, ou através do centro avançando rumo à meta, quando a bola está de posse dos alas.

Explicado estes aspectos fundamentais relativos aos espaços e tempos, efetuado previamente em explicações de Ardósia, a continuação se propõem algumas combinações ofensivas, a partir dos três atacantes, para sucessivamente adicionar mais jogadores, até obter um desenvolvimento ótimo de jogo de 11 contra 11.

Na configuração de base do 1-4-3-3, podemos notar que as triangulações que formam os jogadores graças ao escalonamento que se cria naturalmente, isso se nota através da amplitude no ataque e os espaços livres ao lado do centro-avante.

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

CAMPANHA NA III COPA PAULO RINK



Chegou ao fim ontem (15 de novembro) mais uma edição da Copa Paulo Rink. Competição oficial das Escolas de Futebol do Clube Atlético Paranaense. Essa edição foi disputada no município de Cornélio Procópio no Estado do Paraná.

A equipe Sub 15 teve uma campanha memorável, disputando seis partidas em quatro dias, somando 12 gols (média de 2 gols por partida) e sofrendo apenas 1 gol.

Primeira Fase

A estreia foi no sábado dia 12/11 no período da manhã contra a Escola de São Luiz do Maranhão, onde conseguimos uma grande vitória pelo placar de 4 X 0. No mesmo dia no período da tarde, enfrentamos a equipe da casa, Cornélio Procópio, mais uma vitória por 1 X 0. No domingo pela manhã, enfrentamos a equipe de Porto Alegre, outra vitória pelo placar de 2 X 0.

Quartas de Final

Segunda-feira pela manhã nas quartas de final voltamos a enfrentar a equipe de Porto Alegre, outra vitória por 2 X 0. Avançamos para a Semifinal.

Semifinal

Segunda-feira no período da tarde enfrentamos a equipe de Francisco Beltrão, que havia eliminado a equipe de Curitiba, fizemos um jogo perfeito, vitória incontestável pelo placar de 3 X 0 sem dar chances para o adversário.


Final

Na terça-feira pela manhã, enfrentamos a equipe de Santa Helena, valendo o título da III Copa Paulo Rink. Num jogo muito disputado, sucumbimos perante um contra ataque do adversário na metade do segundo tempo. Após sofrermos o gol, fomos com todas as forças para cima do adversário, que se fechou muito bem e garantiu o título para o município de Santa Helena. Um segundo lugar honroso. Minha equipe teve o ataque mais positivo (12 gols em 6 jogos) e a defesa menos vazada (1 gol em 6 jogos).  Agradeço a todos os meninos que disputaram com muita dedicação essa competição. Ano que vem tem muita coisa boa pra acontecer. 



quarta-feira, 2 de novembro de 2011

JOGO CONCEITUAL PARA VALORIZAÇÃO DA POSSE DA BOLA

Princípio: Valorização da Posse da Bola e Retirada do Setor de Pressão

Sub-Princípio: Técnica do Passe e Domínio

Complexidade: 3 (média alta)

Objetivo: Equilíbrio Posicional

Tempos: 4 X 5'

Adaptação Biológica: Mobilidade Específica

Materiais: Discos. coletes e bolas

Descrição

Número de Jogadores 12 (8:4)  Dimensões: 30 m X 20 m

Jogo Conceitual 8:4. Onde dentro do espaço demarcado ocorrerá um 2:4 e fora do espaço estarão posicionados 6 coringas (2 em duas laterais do espaço e 1 em cada uma das duas restantes). A equipe de posse de bola (6 + 2 de dentro do espaço) tentam manter a posse da bola sob oposição dos 4 defensores somando pontos a cada oito passes realizados. A equipe defensora, quando recuperar a posse da bola deve circulá-la perante a oposição dos dois jogadores de dentro do espaço 






sexta-feira, 21 de outubro de 2011

JOGO CONCEITUAL DE POSSE E CIRCULAÇÃO DE BOLA EM FORMATO DE LOSANGO



Vídeo explicativo do Jogo Conceitual postado na semana passada! Espero que as dúvidas sejam sanadas.

Abraços!

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

JOGO PARA A POSSE E CIRCULAÇÃO DA BOLA EM FORMATO DE LOSANGO

Princípio: Posse e Circulação da Bola


Sub-Princípio: Técnica do Passe


Complexidade: 3 (média alta)


Objetivo: Velocidade Coletiva,  Linhas de Passes e Passes a primeiro toque


Descrição

Número de jogadores: grupos numerosos


Jogo Conceitual de passes a primeiro toque, onde a equipe deve construir no gramado um desenho de losango, para que desta forma tenha um bom jogo posicional, uma boa leitura do jogo. Trabalho bom para melhorar a capacidade de usar indistintamente os dois pés, um bom controle e ótima qualidade de passe. O jogo começa como mostra a figura (1º passe) em um losango a esquerda e no outro para a direita. O 2° passe, no losango que começou a esquerda, passa para a sua esquerda, após dois toques na bola, o 3º passe volta para quem passou pela 2º vez a primeiro passe e este vira o jogo de esquerda para o lado contrário a primeira passe, este o 5º passe, faz a parede e quem fez o 3º passe desloca e realiza o 6º passe para onde iniciou o jogo.

Variação: após aprendido as movimentações, incluir um marcador no centro do losango e fazer o mesmo processo. O jogador que erar o passe vai marcar no lugar de quem estava marcando.



domingo, 9 de outubro de 2011

METODOLOGIA EM TREINAMENTO DE FUTEBOL: uma questão epistemológica


O processo de preparação das equipes no Futebol envolve um conjunto de procedimentos e decisões que resulta da forma como se vê o jogo e o treinamento.

 
Em conseqüência disso, Filipe Martins (2003) in Gomes (2006), identificou a existência de várias tendências de treino: a originária do Leste Europeu (LE), a originária dos países do Norte da Europa e América do Norte (NE), a originária dos países Latino-Americanos (TI) e por último, uma “tendência” denominada de Periodização Tática.

A primeira tendência, oriunda dos países do Leste da Europa, caracteriza-se pela divisão da época desportiva em períodos, estruturados para atingir “picos de forma” em determinados momentos competitivos. Para, além disso, este modelo de preparação confere primazia à variável física, assente numa preparação geral e sem qualquer ligação com a forma de jogar. Deste modo, preconiza um processo abstrato centrado nos fatores da carga física, através de métodos analíticos.

A segunda tendência de treino, com origem nos países do Norte da Europa e América do Norte (NE), tentou transcender o caráter universal da primeira tendência, dando grande importância ao desenvolvimento das capacidades físicas exigidas na competição, definindo-as de específicas. A partir daqui, exacerbou-se a avaliação das cargas através dos testes físicos procurando conhecer assim, a forma dos jogadores. Para, além disso, esta tendência de treino caracteriza-se por desenvolver a variável física, técnica e psicológica em separado.

Contrariando este caráter analítico, surge nos países Latino-Americanos uma tendência designada de “Treino Integrado” onde os aspectos físicos, técnicos e táticos são desenvolvidos conjuntamente. Deste modo, procura promover uma maior semelhança com as exigências da competição conferindo uma grande importância ao Jogo e à sua especificidade. Contudo, esta concepção não deixa de ser abstrata uma vez que se refere a um Jogo geral a partir do qual se faz a estruturação do processo de treino.

A denominada Periodização Tática é uma concepção de treino e competição para o futebol que tem sido preconizada pelo professor Vítor Frade. A Periodização Tática é uma Metodologia de Treinamento que surge há mais de trinta anos na cabeça do professor Vítor Frade quando, através de experiências que lhe ocorreram, começa a questionar as metodologias de treinamento existentes até o momento.

O professor Paco Seirul-lo (Preparador Físico do FC Barcelona) relata que durante trinta da sua vida tem procurado incessantemente o que poderíamos chamar uma nova, ou ao menos diferente, teoria de treinamento, que explique, descreva e conforme, o treinamento específico para os desportos chamados de equipe, e que fora realmente distinto da Teoria Geral do Treinemento. Durante este tempo, de elaboração e aplicação de modelos preconizados pela Teoria Geral do Treinamento, temos identificado múltiplos conflitos para sua completa utilização no treinamento dos desportos de equipe, o que nos tem proporcionado conformar um Teoria Especial. Para isso, nos temos nos apoiado das ciências que tratam de aumentar o acervo de conhecimentos sobre a complexidade do ser humano que obteve um aumento no último terço do século passado.

Estes conhecimentos, nos tem levado a concluir que as chamadas "ciências da complexidade" apoiam os utensílios científicos suficientemente válidos para intervir na compreensão de todo tipo de acontecimentos que aparecem na prática dos desportos de equipe.

Graças a eles, podemos obter certas premissas aplicáveis ao estudo e implantação de métodos de treinamento que proporcionem conhecimento e níveis ótimos na prática dos desportos de equipe.

Essas premissas se concentram em:
  •  O paradigma clássico não é válido para identificar as estruturas interativas dos jogos que por seu dinamismo só podem ser identificados pelo paradigma da complexidade;
  • Ainda que possamos construir  uma teoria especial para todos os desportos de equipe, cada desporto deve propor e desenvolver elementos específicos dentro deste âmbito, pois estas devem ser ajustadas e compatíveis com a especificidade com que cada regulamento permite desenvolver o jogo;
  • Para o estudo de todos os desportos de equipe, temos que centramos na pessoa do desportista, em como aqueles critérios específicos de seu desporto comprometem a sua natureza humana, ou que, sem dúvida, nos coloca a necessidade de elaborar conhecimento sobre o desportista tanto ou mais que no desporto que ele prática;

Sendo assim, qualquer meio ou sistema específico de treinamento deve se ajustar  as condições de complexidade implicítas na informação e interações que vão aparecendo durante a competição, entre os jogadores, o meio e o objetivo utilizados na prática. Qualquer dos meios e tecnologia de avaliação de rendimento, tem que focar nos aspectos qualitativos específicos, e não nos quantitativos, que são próprios da Teoria Geral, sem esquecer nunca o cárater particular e eventual dessas informações.

Temos que ter a preocupação de propor metodologias guias para a planificação do treinamento, que atendam as necessidades da competição, tanto como a preservação da vida desportiva dos jogadores.

Com estas premissas, desenvolveremos as condições de compreensão e treinamento de todos os desportos de equipe, e, em especial, do futebol, que é um desporto que necessita de um "jogo perfeito". Podemos colocar este rótulo nas suas condições de prática e nível motor complexo informativo, o que compromete a totalidade das estruturas conformadoras do ser humano, é necessária co-evolução sistêmicas e sub-sistêmicas hierarquizadas por critérios espaço-temporais específicos do jogo de futebol.

A metodologia de treinamento empregada para o futebol, deve-se valer da organização de jogo da equipe, e esta organização, é a Inteireza Inquebrantável, em que o todo seja superior à soma das partes quando estas são consideradas isoladas umas das outras.


Referências


CANO, Óscar. El modelo de juego del FC Barcelona. MCsports, 2004. 

GOMES, Marisa S. Do Pé como Técnica ao Pensamento Técnico dos Pés Dentro da Caixa Preta da Periodização Táctica – um Estudo de Caso. Dissertação de Licenciatura na FCDEF, 2006.



   








    


quinta-feira, 29 de setembro de 2011

COMO O FUTEBOL EXPLICA SANTA CATARINA

Hoje vou relatar uma pesquisa que venho desenvolvendo com o auxílio do Professor Dr. Marcos Antônio Mattedi (Dr. em Sociologia pela UNICAMP), no Programa de Mestrado em Desenvolvimento Regional na Universidade do Contestado - UnC.

O presente estudo pretende identificar as potencialidades econômicas e institucionais nas regiões catarinenses que possuem clubes de futebol que foram campeões e vice-campeões de futebol em Santa Catarina durante o período de 1960-2010. E verificar qual é a relação das potencialidades econômicas e institucionais com esse sucesso nos gramados de Santa Catarina.

O Estado de Santa Catarina apresenta seis eixos industriais claramente identificados:
  1. Oeste Agroalimentar;
  2. Norte Eletro-Metal-Mecânico;
  3. Planalto Madeireiro;
  4. Vale do Itajaí Têxtil;
  5. Sul Mineral/Cerâmico; e
  6. Grande Florianópolis Administrativo


  A promoção do desenvolvimento regional catarinense, por suas contribuições inovadoras, merece ser estudada. Santa Catarina é um caso raro, no panorama nacional, de desenvolvimento equilibrado, no qual a diversidade, o minifúndio, a microempresa e a cooperação regional têm papel de destaque. Sendo assim, o futebol catarinense parece observar a mesma lógica de conjuntura econômica. O desenvolvimento do futebol catarinense pode estar vinculado ao processo de desenvolvimento regional, porque o Campeonato Estadual de Futebol apresenta um grande número de diferentes clubes campeões e vice-campeões, bem distribuídos regionalmente, tal como acontece com o processo de divisão econômica regional, que é marcada por uma forte heterogeneidade. Diferentemente do cenário nacional, em que as regiões do Estado com maior infraestrutura e maior população detêm a grande maioria dos títulos estaduais de futebol profissional.

Ao analisar a lista de campeões estaduais de futebol profissionais, nota-se que há uma distribuição mais equitativa de campeões e vice-campeões entre as regiões catarinenses e seus respectivos times. Enumerando por cada região, se tem os seguintes resultados:

Região da Grande Florianópolis
Dois times conquistaram 14 títulos: Avaí Futebol Clube e Figueirense Futebol Clube;

Os mesmos times dividem 10 vezes o vice-campeonato estadual.

Região Norte
Dois times somam 13 títulos: América e Joinville Esporte Clube (JEC)

Três chegaram ao segundo lugar em 7 oportunidades: América, Caxias e JEC.

Região Sul
Três times chegaram 14 vezes ao título: Criciúma Esporte Clube, Metropol e Ferroviário;

Quanto às conquistas de vice-campeonatos foram 13 vezes com 4 times: Criciúma Esporte Clube, Metropol, Próspera e Tubarão.

Vale do Itajaí
Três times somam 3 títulos: Brusque, Marcílio Dias e Olímpico;

Quanto às conquistas de vice-campeonatos, 13 ao todo, que dividem-se em 6 clubes: Barroso, Blumenau Esporte Clube, Herman Aichinger, Juventus, Marcílio Dias e Olímpico.

Região Oeste
Duas equipes detêm 4 títulos: Chapecoense e Perdigão de Videira;

Quanto às conquistas de vice-campeonatos 2 times: Chapecoense e Comercial de Joaçaba.

Região do Planalto Serrano
É a região que detêm o menor número de títulos e vice-campeonatos, apenas uma vez cada e somente uma agremiação, o Internacional de Lages.

Desta forma, o que explica a grande variação de campeões e vice-campeões estaduais de futebol no Estado de Santa Catarina? É o que pretendo explicar com a minha dissertação.

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

QUEM SERÁ O PRÓXIMO MESSI?



Talvez uma pergunta como esta seja muito difícil de ser respondida. Mas, como todos nós que acompanhamos o futebol, principalmente a equipe do FC Barcelona, também sabemos que, o FC Barcelona B, ou simplesmente, Barça B é uma fonte inesgotável de recursos para o treinador Pep Guardiola.



Lendo e ouvindo algumas pessoas que possuem profundo conhecimento sobre o futebol espanhol, todas elas apontam o jovem jogador Gerard Deulofeu como possível substituto ou melhor: O Próximo Messi!

Esse jovem atacante de apenas 17 anos, jogou a Eurocopa Sub 19 2011, e demonstrou mesmo com dois a menos uma maturidade e tranquilidade digna daqueles jogadores que não tem do que desconfiar, um futuro muito promissor vem por aí daqui há alguns anos.

Gerard Deulofeu é definido pelo site do FC Barcelona como, um jogador que desequilibra e de grande qualidade técnica. Tem facilidade para finalizar em gol. E esteve a ponto de debutar com Guardiola na temporada passada em Anoeta. Mas como se trata de um jogador muito jovem ainda e pouco rodado no Barça B (pois ainda é Juvenil) debutará mais a frente.

Para aqueles que gostam de futebol é mais um nome que desponta no futebol mundial e quem sabe não estará desfilando em gramados brasileiros em 2014. Viva o futebol bem jogado!

 

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

JOGO CONCEITUAL PARA ULTRAPASSAGEM

Princípio: Posse e Circulação da Bola

Sub-Princípio: Técnica do Passe e Domínio

Complexidade: 2 (média)

Objetivo: Velocidade Coletiva e ultrapassagem

Tempo: 4 X 4"

Adaptação Biológica: Mobilidade Específica

Materiais: Discos, 4 Barreiras, coletes e bolas


Descrição

Números de jogadores 8 (4:4).

Jogo conceitual 4:4, onde dentro da área demarcada ocorre um 2:2 com mais 2 jogadores como opção nos lados extermos da área demarcada. O objetivo do jogo é a posse e a circulção da bola pelos 2 jogadores de dentro da área demarcada, quando for possível passá-la para o jogador do lado externo da área que deve dominá-la e entrar conduzindo-a novamente para o espaço de jogo. O jogador que efetuou o passe deve saltar a barreira que está no lado externo da área de jogo e se posicionar onde estava o seu colega. É obrigatória a inversão de lado, sendo que, um passe no lado direito da área demarcada, o outro tem que ser no lado esquerdo da área demarcada (nunca duas vezes no mesmo lado, trabalhando a mudança de corredores).

A equipe que esta sem a posse da bola deve dobrar a marcação para recuperar a posse da bola, de preferência quando o jogador receber a bola de costas (dentro da área demarcada) ou adiantar demais durante a condução.

P.S.: esta é a postagem de número 100 do blog. Agradeço a todas as pessoas que visitam esse humilde meio de comunicação sobre o futebol. Pessoas essas de quase todo o mundo, além dos amigos brasileiros (especial os portugueses, com quem tenho aprendido muito). Continuem visitando. Cordial abraço e Muito Obrigado!



sexta-feira, 9 de setembro de 2011

DEFENDER ... ATACANDO


No II Seminário de Futebol realizado pelo Grêmio Football Porto Alegrense, o autor Nuno Amieiro explanou sobre a Defesa à Zona. Se a defesa à zona parece ser a opção mais adequada de defender para garantir equilíbrio ofensivo na defesa, importa perceber que preocupações devem existir na organização ofensiva para que o equilíbrio defensivo no ataque seja mais adequadamente efetivado.


Para Guilherme Oliveira (2004) apud Soares (2009), o momento de organização ofensiva é caracterizado pelos comportamentos que a equipe assume quando de posse de bola com o objetivo de preparar e criar situações de forma a marcar o gol.


Para Garganta & Pinto (19980 apud Soares (2009), quando a equipe tem a bola deve adotar os seguintes comportamentos :

  •  Penetração: verificar se existe possibilidade de finalizar ou espaço livre de progressão para a baliza contrária;
  • Cobertura Ofensiva: criar situação de superioridade numérica junto da bola através da inclusão de um segundo atacante;
  • Mobilidade: criação de linhas de passe de modo a construir situações possíveis de penetração; e
  • Espaço: tornar o jogo mais aberto, com maior amplitude, em largura e profundidade, criar linhas de passe de forma a obrigar a defesa a flutuar e a ter maior dificuldade em criar situações de superioridade numérica.

Concordo com Soares (2009) que, tal como na defesa à zona não existe apenas uma forma de defender à zona, também acreditamos que nos momentos de organização ofensiva perspectivados segundo a posse e circulação de bola, suportadas pela ocupação total do espaço de jogo,tal concordância também não existe. Se todos somos seres diferentes e temos ideias diferentes, a posse e circulação de bola não será realizada do mesmo modo por todos os treinadores.

Jesualdo Ferreira (2004) apud Soares (2009) defende que, defender bem é, em primeiro lugar, a equipe estar bem posicionada no momento em que tem a posse de bola, porque ao perdê-la, estará em boas condições de a poder recuperar rapidamente. Para o autor existem uma série de mecanismos defensivos que se devem começar a articular no momento em que a equipe ganha a posse de bola e entra no processo ofensivo.

Amieiro (2004) apud Soares (2009) acrescenta que só o posicionamento em função da bola permite que, no momento da perda, mais importante que em superioridade numérica, a equipe esteja em superioridade posicional e temporal e explica que o fundamental no equilíbrio defensivo no ataque é a existência permanente de um equilíbrio posicional no seio da equipe, o qual se traduz na ocupação cuidada e inteligente dos espaços de ataque, no sentido de permitir uma reação rápida  e eficaz à perda da posse de bola, ou seja, trata-se de assegurar a permanente gestão coletiva do espaço e do tempo de jogo, com vista ao domínio dos momentos de transição ataque-defesa.

Mas para que possa haver esses mecanismos na equipe, temos que treinar em conformidade para que isso aconteça na equipe

Referência

SOARES, Pedro. Transições: uma instantaneidade suportada pelo "equilíbrio" ...a representatividade da fluidez que o "jogar" deve manifestar. Porto. Dissertação de Licenciatura apresntada à Faculdade de Desporto da Universidade do Porto, 2009.

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

TRANSIÇÕES

                                           
No futebol moderno os momentos de transição assumem particular relevância, sendo citados por diversos autores como os momentos mais importantes e cruciais do jogo. Sendo assim, a sua relevância assume um papel preponderante na idealização do Modelo de Jogo sendo estreita a sua relação com os momentos de organização ofensiva e defensiva.
Vou explicar melhor. O jogo de futebol compreende quatro momentos:
  •  Organização Ofensiva: onde, quero que a minha equipe tenha a posse da bola, mas com uma posse da bola com o objetivo de desorganizar a estrutura defensiva adversária, ou seja, através da circulação da bola entre os setores do campo;
  • Transição Defensiva (Ataque - Defesa): onde, quero que a minha equipe  procure no primeiro instante recuperar a posse da bola (no mesmo setor da perda). Paralelamente a isso, procura simultaneamente fechar a equipe, para, no caso de não conseguir recuperar a posse da bola, estar compacta e entrar em Organização Defensiva. Este princípio é importante para impedir a exploração do contra-ataque das equipes adversárias e por isso, procurar ser agressivo na sua concretização;
  • Organização Defensiva: jogar em Zona Pressionante; 
  • Transição Ofensiva (Defesa - Ataque): após a recuperação da posse, a minha equipe tem que procurar manter a posse da bola e retirá-la do setor de pressão para o setor mais apropriado, e com isso, aposta na situação de contra-ataque com segurança. Quando for possível dar profundidade, deve fazê-lo e procurar terminar com uma finalização. 
Segundo Soares (2009) as Transições ganham essa importância, devido a velocidade que se joga atualmente não permitir que, como acontecia há alguns anos atrás, os jogadores tenham tempo para pensar e realizar calmamente as suas ações quando ganham ou perdem a posse da bola. Seja porque se defende mais à frente, seja pela opção do Pressing, seja pela evolução técnica dos jogadores. O jogador atual, quando perde a bola não pode demorar a entregá-la a um colega melhor posicionado e com espaço e tempo para pensar.  Se há alguns anos atrás se defendia quase exclusivamente no meio campo defensivo, permitindo à equipe com bola trocá-la à vontade no seu meio campo, atualmente, nos melhores campeonatos do mundo, os defesas e os médios têm que participar ativamente no processo de manutenção da posse da bola, mesmo no seu meio campo defensivo, uma vez que o portador da bola é constantemente pressionado. E, devido a este aumento da velocidade e diminuição do tempo e do espaço para realizar corretamente as ações, há tendência para que ocorram mais erros, mais perdas e mais conquistas da posse de bola.

Para Guilherme Oliveira (2004) apud Soares (2009) o momento de transição defesa - ataque é caracterizado pelos comportamentos que a equipe deve ter durante os segundos imediatos ao ganhar-se a posse de bola. Estes segundos são importantes porque, tal como na transição ataque - defesa, as equipes encontram-se desorganizadas para as novas funções e o objetivo é aproveitar as desorganizações adversárias para proveito próprio.

O mesmo autor, releva que, o momento de transição ataque - defesa é caracterizado pelos comportamentos que a equipe deve assumir durante os segundos após se perder a posse de bola. Estes segundos revelam-se de particular importância uma vez que ambas as equipes se encontram momentameamente desorganizadas para as novas funções que têm que assumir, como tal ambas tentam aproveitar as desorganizações adversárias.

As sessões de treinamento que tem por objetivo trabalhar as transições, devem se valer de exercícios (jogos) que atentem para o processo de lentidão do cérebro dos jogadores que se caracteriza nesses momentos do jogo. Segundo Soares (2009), sendo os momentos de jogo mais importantes, as transições necessitam ser treinadas de forma mais intensa, ou seja, nas transições os jogadores têm que estar mais concentrados, têm que decidir adequadamente num curto espaço físico e temporal, e, portanto têm que possuir na sua mente mecanismos que lhes permitam acelerar esse processo de modo a cumprirem de forma efetiva os princípios dos momentos de transição do [jogar] que se pretende.
Concordo com Soares (2009) que os momentos de transição ataque - defesa e defesa - ataque são cruciais no jogo atual. São estes momentos que marcam a diferença nas grandes equipes, que levam a que equipes tenham maior controle do jogo do que outras.

                                          
Referência
SOARES, Pedro. Transições: uma instantaneidade suportada pelo "equilíbrio" ...a representatividade da fluidez que o "jogar" deve manifestar. Porto. Dissertação de Licenciatura apresntada à Faculdade de Desporto da Universidade do Porto, 2009.

domingo, 28 de agosto de 2011

PERIODIZAÇÃO TÁTICA: ainda controversa no Brasil



Participei nesta semana que passou do II Seminário de Futebol no Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense. Que teve entre outros assuntos a explanação do Professor Nuno Amieiro sobre Fundamentos para a Construção de um Modelo de Jogo; Erros mais frequentes na operacionalização da Periodização Tática.

Onde pude observar que o desconhecimento sobre esse assunto é muito grande por parte dos profissionais do futebol brasileiro. Não que eu seja um especialista sobre esse assunto (estudo esse tema desde o ano de 2009), e reconheço, que é muito complexo. Mas, a resistência e a incompreensão podem ser os fatores principais para o seu entendimento. Sei também que, tudo que é novo nos deixa apreensivos, relutantes. Longe de mim querer parecer que a Periodização Tática é a verdade absoluta. Mas para mim é o melhor caminho para melhorar o treinamento do futebol.

Em uma conversa breve com o Professor Luis Esteves (www.organizaçãodejogo.blogspot.com) ele me dizia, que o que está acontecendo no Brasil não a Periodização Tática pura na sua essência, mas sim, uma mescla da Periodização Tática com o Treinamento Integrado, porque para nós brasileiros é difícil entender os preceitos que norteiam a Periodização Tática, como a Teoria do Caos, etc., devido a nossa herança do pensamento Cartesiano, fragmentado das coisas.

Farei um breve relato sobre as leituras que acumulei durante esses quase dois anos de estudos sobre a Periodização Tática, apoiado em alguns autores.

A denominada Periodização Tática é uma concepção de treino e competição para o futebol que tem sido preconizada pelo professor Vítor Frade. A Periodização Tática é uma Metodologiaia de Treinamento que surge há mais de trinta anos na cabeça do Professor Vitor Frade quando, através de experiências que lhe ocorreram, começa a questionar as Metodologias de Treinamento existentes até o momento.  
 
Ao entender que o Futebol e o JOGO que uma equipe produz não podem ser entendidos desde o Pensamento Científico Clássico (analítico e descontextualizador) dada a sua globalidade, imprevisibilidade e estado-não linear, decide buscar em Teorias mais adequadas aos tipos de problemas que estão propondo, chegando as Teorias Sistêmicas, que junto a certos Princípios Metodológicos preconizados acabaram por configurar a Periodização Tática.
A Periodização Tática é uma Metodologia de Treinamento cuja preocupação máxima é o JOGO que uma equipe pretende produzir na competição. É por isso que o Modelo de Jogo assume-se como guia de todo o processo, produzindo-se uma modelação através dos Princípios, Sub-Princípios, Sub-Princípios de Sub- Princípios do JOGO que o formam, conseguindo alcançar uma adaptação Específica e de qualidade ao respeitar os Princípios Metodológicos que a sustentam. (TAMARIT, 2007). De acordo com este autor, o processo de preparação deve centrar-se na operacionalização de um “jogar” através da criação e desenvolvimento contínuo do Modelo de Jogo e, portanto, dos seus princípios. Neste contexto, a periodização e programação do processo conferem primazia Tática, ou seja, regula-se no desenvolvimento de uma organização coletiva que sobre condiciona a variável física, técnica e psicológica. O processo centra-se na aquisição de determinadas regularidades no “JOGAR” da equipe através da operacionalização dos princípios do Modelo de Jogo assumindo-se por isso, num Treino Específico.

"Aspecto particular da programação, que se relaciona com uma distribuição no tempo, de forma regular, dos comportamentos tácticos de jogo, individuais e colectivos, assim como, a subjacente e progressiva adaptação do jogador e da equipa a nível técnico, físico, cognitivo e psicológico".
(MOURINHO, 2001)
A definição acima dada pelo treinador português José Mourinho sobre o seu conceito para a periodização contempla o que para ele são os quatro aspectos fundamentais que o treinamento deve abranger de uma forma indissociável. Defende que toda sessão de treino deva ser realizada com bola de forma que o atleta pense no jogo. Para Carvalhal (2003) a primeira preocupação nessa periodização é o jogo, com ênfase em treinos situacionais e em situações de jogo, com o treino físico (ou da dominante física) inserido no mesmo.
Essa forma de periodizar é contrária aos modelos tradicionais, em que as prioridades do treino são outras; em que os aspectos físicos, técnicos, táticos e psicológicos possuem sessões particulares de trabalho, sendo em alguns momentos “integrados” em treinamentos físico-técnicos ou técnico-táticos que apesar da presença da bola não possuem como objetivo central a melhora da qualidade do jogo.
Considerando como epicentro do jogo o aspecto tático, a Periodização Tática citada pelos treinadores acima tem como referência o Modelo de Jogo Adotado e, com isso, os outros aspectos devem estar presentes sempre nas sessões de treinos, pois sem eles o jogo em alta qualidade torna-se fora do alcance. A tática é pensada como aspecto central da construção do treino, de forma que as outras capacidades sejam desenvolvidas por “arrasto”, de forma contextualizada e identificada com a matriz de jogo proposta.
Para isso nas sessões de treino são desenvolvidos exercícios que construam e potencializem a forma de jogar exacerbando algumas situações (princípio metodológico das propensões) que o treinador eleja como prioridade naquela sessão.
Dentro da Periodização Tática não faz sentido um mesociclo apoiado em microciclos que tenham em sua estrutura perspectivas praticamente idênticas pautadas ou na variação de volumes de carga, ou de prioridades físicas, ou nas pendências fisiológicas. Na perspectiva do Modelo de Jogo Adotado, o microciclo segue uma progressão complexa relacionada ao processo e compreensão da lógica do jogo e ao modelo de jogo a se jogar.
Podemos dizer que uma equipe de futebol é um sistema aberto, adaptativo e homeostático. Um sistema é um conjunto de elementos ou partes que se inter-relacionam entre si a fim de alcançar um objetivo concreto, Moriello (2003) apud Tamarit (2007). O autor acrescenta que se criam duas características fundamentais que descrevem um sistema. A primeira é que uma troca em qualquer destas partes influenciará no resto das partes. E a segunda, nos fala da obrigatoriedade da existência de um objetivo comum.
Desta forma, podemos afirmar que uma equipe de futebol é um sistema onde um conjunto de jogadores se inter-relacionam entre si com o fim de alcançar um objetivo comum (um JOGAR determinado, com o fim de conseguir a vitória que é o fim de qualquer esporte).
Quando falamos de sistema (equipe) não devemos esquecer que este se encontra dentro de um meio ambiente (contexto) que afetará tanto em seu funcionamento como em seu rendimento (Moriello, 2003 apud Tamarit, 2007). Segundo o autor existem diferentes tipos de sistema, e entre eles podemos encontrar: “os que apresentam alguma ou muita inter-relação com o meio ambiente se denominam “Sistemas Abertos” e os que se relacionam e se adaptam ao entrono “Adaptativos”. Uma equipe de futebol assim como o JOGO que produz serão Sistemas Abertos Adaptativos, devido ao seu alto grau de inter-relação com o meio ambiente assim como, sua capacidade de adaptação a este.
Além, uma equipe de futebol também pode ser definida de Sistema “homeostático” à medida que, “a homeostase define a tendência de um sistema a sua supervivência dinâmica. Os Sistemas altamente homeostáticos seguem as transformações do contexto através de ajustes estruturais internos”. Moriello (2003) apud Tamarit (2007), é exatamente o que ocorre em uma equipe de futebol, que vive em um contínuo intercambio entre ordem e desordem interna com o objetivo de se auto-ajustar estruturalmente a necessidade do momento.
Se uma equipe de futebol é um Sistema, o JOGAR passará, por tanto, a ser definido como um Sistema de “Sistemas” – Sistema Complexo (Gomes, 2006) devido a que “expressa às relações de cooperação entre os companheiros e de oposição com os adversários”, o que é o mesmo, entre as lutas de Sistemas (equipes) por um objetivo final (a vitória).
O futebol (JOGO) e o jogo que uma equipe produz, é então um fenômeno complexo, já que se constituem por diversos componentes (tático, técnico, físico e psicológico, e estratégico em algumas ocasiões) e momentos (momento ofensivo, momento defensivo e as suas duas transições) que formam parte de um todo e que não podem existir de maneira isolada do resto, já que os fatores que as formam são inseparáveis (“integridade indissociável” do JOGO). E não só por isso, mas por que se compõem de uma grande quantidade de elementos relativamente idênticos (regularidades que se dão no JOGO de uma equipe) e, também cumprem com o referido anteriormente, dada sua imprevisibilidade, instabilidade e aleatoriedade, pois como diz Carvalhal (2003), “a imprevisibilidade e a aleatoriedade próprios do futebol fazem deste uma estrutura multifatorial de grande complexidade”. Também a isso refere-se Garganta (1997) apud Tamarit (2007), quando diz que: “na aparência simples de uma partida de futebol, está presente um fenômeno muito complexo, devido a elevada imprevisibilidade e aleatoriedade dos fatos do jogo [...]”.
A Periodização Tática emerge, na prática competitiva (principalmente em Portugal nesse momento), como uma nova proposta de periodização para os jogos coletivos, respeitando suas características e nesse caso aprofundando nas particularidades e complexidades do futebol. Surge como alternativa para a periodização tradicional que têm, em grande parte de seus idealizadores, origem em esportes individuais ou com um curto período competitivo. Parte do pressuposto de que esportes coletivos, como o futebol nesse caso, com longos períodos de competição necessitam de regularidade competitiva, não tendo nos “picos de forma” esse objetivo atingido. Os picos do Modelo de Jogo tornam-se as metas a serem buscadas e que, pelos constantes processos de construção do mesmo proporciona um desenvolvimento contínuo.

A Periodização Tática mostra uma preocupação com a qualidade do jogo e rompe com conceitos cartesianos fincados em nossa sociedade. Seus conceitos, ideias e perspectivas passaram agora pelos portões das universidades, rumo à batalha contra os achismos que ainda imperam no futebol (ou por tradicionalismos ou pela falta de conhecimento científico).
Referências
CAMPOS, Carlos. A Justificação da Periodização Táctica como uma fenomenotécnica: A singularidae da INTERVENÇÃO DO TREINADOR como a sua impressão digital. MCSports, 2008.
CARVALHAL, Carlos. "Periodização táctica. A coerência entre o exercício de treino e o modelo de jogo adotado" Documento de apoio das II Jornadas técnicas de futebol da U.T.A.D, 2003
GOMES, Marisa S. Do Pé como Técnica ao Pensamento Técnico dos Pés Dentro da Caixa Preta da Periodização Táctica – um Estudo de Caso. Dissertação de Licenciatura na FCDEF, 2006.
MOURINHO, José. "Programação e periodização do treino em futebol" in palestra realizada na ESEL, no âmbito da disciplina de POAEF, 2001.
OLIVEIRA, Bruno F.M., AMIEIRO, Nuno., RESENDE, Nuno., BARRETO, Ricardo. Mourinho. Por qué tantas victorias? MCsports, 2007.
TAMARIT, Xavier. Qué es la “Periodización Táctica”? Vivenciar el <> para condicionar el juego. MCSports, 2007.