Abordagem de Ensino Baseada no Jogo

sábado, 26 de dezembro de 2015

CAOS, ACASOS e CAUSALIDADES NA PREPARAÇÃO FÍSICA

Como a preparação física vem sendo encarada no futebol? Muito se tem falado sobre mudanças no futebol, baseadas na abordagem sistêmica, teoria do caos, entre outras. Entretanto, não temos visto muitos profissionais defendendo e aplicando essas ideias na área da preparação física. 

Dentro de alguns dias, teremos início no futebol brasileiro a tão "temida" pré-temporada. É correto afirmar que a pré-temporada serve para "carregar as baterias" para o  restante da temporada? Outra questão, o que é o estado de forma física? É a capacidade de correr mais e mais rápido? É a capacidade de saltar mais alto?

Me parece que, estamos muito longe de entender a verdadeira complexidade da aplicação de estímulos que melhorem as interações futebolista-contexto, e mais nos processos de interação tão complexos como os que se produzem no futebol.

Uma teoria que para mim pode ser utilizada para aproximar a preparação física dentro da abordagem sistêmica é a da Teoria das Estruturas Dissipativas, elaborada pelo físico-químico Ilya Prigogine. Estruturas Dissipativas são sistemas comumente encontrados na natureza, que se caracterizam por estarem abertos a fluxo de matéria e energia, sendo assim, apresentam uma entrada (input) e uma saída (output). Por estarem afastados do equilíbrio entende-se que são sistemas fluentes, dinâmicos.  Uma estrutura dissipativa se constitui em dois momentos:

  • O primeiro momento é linear e corresponde à segunda lei da termodinâmica, onde os escoamentos (desgaste físicos) são mínimos; 
  • O segundo é não-linear; o processo se torna irreversível e só poderá ser descrito pela termodinâmica dos sistemas irreversíveis (situações que só o  jogo produz).
O primeiro momento, podemos caracterizá-lo como as atividades tradicionais da preparação física, atividades que se preocupam apenas com as capacidades física (resistência, força, velocidade) sem levar em conta as tomadas de decisões que o jogo de futebol exige (onde pela cansaço emocional  o desgaste será sempre maior do quê, apenas o desgaste físico). 
Já o segundo  momento, seria constituído pelas situações próximas do jogo de futebol (com tomadas de decisões) e ligadas a ideia de jogo da equipe (adaptações que os jogadores necessitam realizar para desenvolver o  jogo).

Em se tratando da preparação física, ainda o problema do fornecimento de energia para a atividade física (prática do futebol) em fisiologia é tratado do ponto de vista da cibernética, com uma entrada (input) que seriam as cargas de trabalho, e na saída (output), são observados: frequência cardíaca; consumo de oxigênio; eliminação de gás carbônico; modificação da concentração de ácido lático no sangue. Ficando fora desse contexto na maioria das vezes, as propriedades morfológicas ou leis biológicas do desenvolvimento dos processos da adaptação. 
    
Destarte, voltando ao questionamento inicial sobre a capacidade da pré-temporada, ao analisar a duração das adaptações produzidas pelo treinamento observa-se que está crença não tem base fisiológica, já que as adaptações produzidas pelo treinamento não podem manter-se por um tempo tão prolongado.
A pré-temporada deviria ser tratada como um processo de readaptação do jogador há atividade competitiva e um processo de coadaptação treinador/jogadores. Este processo de coadaptação se refere a ideia de que, não só os jogadores se adaptam as pré-concepções futebolísticas de determinado treinador e as concepções de jogo que tenha previsto aplicar, mas que o treinador deveria observar e analisar os comportamentos mais ou menos instaurados nos jogadores para poder atuar conforme as necessidades específicas daquele grupo de jogadores (POL, 2013).   
   

Em suma, trabalhos de prevenção e de readaptação, pois em um plantel de jogadores de uma equipe de futebol, sempre teremos questões muito complexas como: idades diferentes, histórico de lesões, tempo de inatividade entre as temporadas, entre outras. Isto tudo tem que ser levado em conta no início da pré-temporada.

Feliz 2016 a todos!

Referência   

POL, Rafel. La Preparación Física en el fútbol: El processo de entrenamiento desde las ciencias de la complejidad. MC Sports: 2013.

terça-feira, 15 de dezembro de 2015

MODELO DE JOGO/IDIOMA DE FUTEBOL




 

Chegamos ao final de mais um ano e uma notícia me chamou atenção neste mês de dezembro, o treinador Muricy Ramalho assumi o Clube de Regatas do Flamengo e justifica a escolha, por poder unificar as categorias de formação com a equipe principal.

Isso que o treinador pretende executar no  clube carioca é o  que vem sendo feito no FC Barcelona a mais de 35 anos. Local onde o treinador recentemente realizou um estágio. 

Esse processo deve ser baseado no modelo sistêmico e esse modelo é uma pirâmide invertida. Primeiro poucos conteúdos (estímulos físicos e táticos) já que o indivíduo está potencialmente menos capacitado, e a partir do que vai conseguindo elaborar processos cada vez de mais alto nível de interação vai aumentando a sua capacidade no processo de aprendizagem desse Modelo de Jogo/Idioma de futebol  do clube do qual faz parte.
Desta forma, conforme os futebolistas começam no processo de formação recebem estímulos táticos (Princípios e Sub-Princípios) referentes ao Modelo de Jogo do Clube e também estímulos físicos (Períodos Sensíveis) correspondentes a sua categoria e faixa etária (maturação) para que todos falem o mesmo idioma de futebol. Este processo vai avançando em multi-níveis, que representam níveis estáveis que asseguram a consistência das interações entre os conteúdos que cada categoria deve se apropriar para almejar a excelência. Partindo da inexperiência à experiência.

Essa unificação deve ser bem compreendida pelos atores do processo (treinadores de cada categoria) pois, serão eles os responsáveis por aplicarem os conceitos de jogo e realizarem as devidas modificações para serem coerentes nas avaliações do processo, sendo mediadores desse nível de jogo potencial  de cada um, conforme Vygotsky propos com a sua teoria da Zona de Desenvolvimento Proximal (ZDP). 

Destarte, outra situação que não pode passar despercebida é a dependência sensível das condições iniciais (Efeito Borboleta), pois, os sistemas não-lineares não podem, em geral, ser solucionáveis e não podem ser somados uns aos outros. Isso posto, não se consegue mensurar quais os resultados das infinitas interações, mas percebe-se os padrões que se estabelecem. E, o resultado final será muito sensível as condições iniciais, pois, qualquer diferença por menor que seja, em valores de variáveis de suas equações podem produzir evoluções diferentes à medida que o processo se desenvolve.    

quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

O IMPORTANTE É O SER HUMANO QUE PRATICA O FUTEBOL


O Treinamento Estruturado tem como cerne as teoria que tratam os mais recentes conhecimentos sobre o que é o ser humano e as funções dos seres vivos, teorias dos sistemas e as teorias ecológicas. 

Destarte, sua finalidade é a auto-modelação do futebolista, quer dizer, centrar-se no próprio indivíduo, que tem que treinar seus próprios recursos e otimizar as potencialidades que possuem.

Por exemplo, observamos que muitos de nós (eu me incluo nisto) pensamos que o modelo de jogo e o modelo de treino que desenvolve o treinador é uma justificativa para dizer que "o treinador tem um bom modelo de jogo, uma determinada forma de treinar ...", e na verdade isto não é bem assim, estamos nos preocupando muito em que o treinador evolua (eles estão evoluindo, procurando se aperfeiçoar), mas a questão central não é essa, quem tem que evoluir é o jogador, não o treinador (SEIRUL-LO, 2002).

O treinador graças ao seu conhecimento de causa ajuda o jogador a evoluir. Através desse intercâmbio que acontece no treinamento, que serve para fazer progredir tanto o treinador como o jogador, mais principalmente o jogador, desta forma o treinador deve buscar: a constante aquisição de novos conhecimentos do jogador sobre o jogo, o treinamento e sobre ele mesmo. O treinador tem isso bem claro na sua ideia de jogo, mas não pode realizar. Por isso, o jogador é quem tem que conhecê-lo para realiza-lo (SEIRUL-LO, 2002). 

Desta forma, os exercícios da teoria convencional não nos servem, pois se desenvolvem de forma analítica e sequencial no progresso de treinamento. O que temos que fazer é construir exercícios (jogos fractais) novos, diferentes que proporcionem essa interação dinâmica e sejam consistentes, já que os exercícios analíticos fundamentados em outras teorias não conseguem.

Por isso, o importante é o  ser humano que pratica o futebol, porque é partir dele que construímos esses sistemas, a partir de uma determinada situação de jogo, necessita realizar uma tarefa motriz em um determinado lugar do espaço e durante um determinado tempo. E nesta atividade motriz espaço-temporal se relaciona ou estabelece interações com objetos (bola), com os companheiros e os oponentes.  

                                  Fig. 1: Treinamento Estruturado
                                        Fonte: Seirul-lo, 2002. 

Destarte, o ser humano é assim interpretado, pois, uma das propriedades sobressalentes dos seres vivos é construir estruturas multiníveis de sistemas dentro de sistemas. 

Por fim, o ser humano sendo  entendido desse modo, podemos construir novos elementos e situações de treinamento que produzam interações entre as estruturas multiníveis dos distintos sistemas que constituem o ser humano. O Treinamento Estruturado desencadeia portanto uma necessidade de treinamento não hierarquizado, só priorizado, outro conceito que devemos levar em conta. O treinamento priorizado supõe que, uma determinada situação de treinamento têm que acontecer com todos os elementos da estruturas implicadas (Estrutura Condicional; Estrutura Coordenativa; Estrutura Sócio-Afetiva; Estrutura Emotivo-Volitiva; Estrutura Criativo-Expressiva; Estrutura Mental-Cognitiva) e priorizar um elemento que permita atenção especial (uma  prioridade) dentro daquelas determinadas situações. Isto que provoca a concepção do ser humano ser o mais importante nesta metodologia (SEIRUL-LO, 2002).   

Referência

SEIRUL-LO, F. V. La preparación física en deportes de equipo: Entrenamiento Estructurado. Valência Junio de 2002.  Jornada sobre Rendimiento Deportivo

sexta-feira, 27 de novembro de 2015

TREINAMENTO ESTRUTURADO O TREINAMENTO PARA O SÉCULO XXI


Estamos chegando ao final de mais um ano de estudos e situações práticas no futebol. Não é novidade que, os esportes coletivos em muitos casos, se apoiam e utilizam metodologias de trabalho oriundas dos esportes individuais, atletismo por exemplo. Apesar de ser muito apregoado por inúmeros profissionais do futebol que isso é um equivoco. Mas, quando observamos trabalhos de aquecimentos antes das partidas e treinamentos de muitas equipes pelo país a fora não consigo dissociar este método do individual para o coletivo.

Segundo Maturana e Varela (1995), quando nos referimos a aprendizagem "não nascemos nem amando e nem odiando ninguém em particular." E isso, pode ser transferido para as metodologias de treinamento em futebol.

Hipoteticamente vamos nos ater aos trabalhos destinados para desenvolver velocidade. Como se treina a velocidade no atletismo? Saída baixa, alta, de costas, etc; sempre com um estímulo sonoro (palma, silvo) percorrendo determinada distância; logo realizando a técnica específica da prova de 100 metros livre.  E como se treina velocidade no futebol? Realmente o  que estamos treinando são elementos coordenativos específicos do atletismo. Destarte, saída parado após um estímulo sonoro (palma e/ou silvo), para percorrer determinada distância em linha reta ou com mudanças de direção. Mas, quando transferimos essa situação para a realidade do jogo, em nenhum momento um jogador que sai em contra-ataque no futebol espera que seu treinador dê uma palma ou lhe diga "aos seus lugares, pronto ... já" para iniciar o contra-ataque. Ao contrário, o jogador deve, analisar a situação, perceber o que acontece, onde está bola, os adversários, relacionar com o que o treinador propôs para aquela situação nos treinamento, quer dizer, levar em conta um grande número de variáveis.

Por pensar dessa forma, o treinador Francisco Seirul-lo Vargas (preparador físico do FC Barcelona) juntamente com um grupo de professores do INEF de Barcelona, desenvolveu e aplicou na prática o Treinamento Estruturado. O início ocorreu no Handebol do clube catalão, posteriormente foi implantado nas canteras do FC Barcelona para posteriormente chegar a equipe principal. O método consiste em pequenos ciclos de treinamento, de três a cinco dias, dedicados ao trabalho de alguma capacidade física: força de resistência, força elástica, força explosiva, dependendo da necessidade do jogador e do momento da temporada. Sempre utilizando a bola, o treinamento simula as condições técnico-táticas da próxima partida. Sempre em consonância com os princípios de jogo do treinador.

Temos que lembrar o seguinte, a aprendizagem não acontece pela repetição das mesmas situações mas por sequências de situações que provoquem o desenvolvimento dos processos de interação entre os sistemas. E se,  o jogo é tratado como um sistema dinâmico aberto, precisamos trata-lo como tal.

 
Figura 1. Representação esquemática das condicionantes do processo de tomada de decisão do esportista devido a sua interação com o entorno.
                                        
                                                            Fonte: Adaptado de Araújo, 2005. 

Destarte, o Treinamento Estruturado nos mostra que, ao contrário do que muitos pensam, o treinamento não pode ser controlado, ele não evolui desde uma comparação com modelos externos ao sujeito (jogador), mas que temos que evoluir no próprio nível de uma auto-organização (autopoiese), temos que ver como cada um vai se construindo, através de como o jogador é  capaz de interpretar suas atuações em qualquer episódio da prática desportiva do futebol e desde qualquer perspectiva do esporte que pratica (SEIRUL-LO, 2002). 

Se isto for compreendido, o problema do desnível maturacional nas categorias de base pode ser melhor equacionado.

Referências

ARAÚJO, D. O Contexto da decisão, a acção táctica no desporto. Editorial visão e contextos, 2005.

MATURANA, H. e VARELA, F. G. A árvore do conhecimento. As bases biológicas do conhecimento humano. Editorial Psy II: Campinas,  SP, 1995. 

SEIRUL-LO, F. V. La preparación física en deportes de equipo: Entrenamiento Estructurado. Valência Junio de 2002.  Jornada sobre Rendimiento Deportivo.

 

domingo, 22 de novembro de 2015

FORMAÇÃO E O MODELO DE JOGO DO CLUBE


Hoje no cenário futebolístico nacional percebo que uma palavra está na moda, Modelo de Jogo. Mas, o que vem a ser isto?
 "O Modelo de Jogo é o que acontece como padronização durante o jogar regular de uma equipe e o identifica, sendo sempre possível uma evolução qualitativa."
                                                                                       Vítor Frade, 2013

Isto significa dizer que, dentro de um planejamento adotado os treinamentos serão montados de tal forma que todos os jogadores da equipe irão se comportar dentro de uma mesma ótica, ou seja, com o intuito de cumprir um objetivo comum nos diferentes momentos do jogo (Organização Ofensiva - Transição Defensiva - Organização Defensiva - Transição Ofensiva). Desta forma, o Modelo  de Jogo nada mais é do que a definição de quais são esses objetivos, ou melhor, qual é a conduta esperada pela equipe nos diferentes momentos de modo que, todos os treinamentos estarão voltados para o alcance desses objetivos (TAMARIT, 2007).

Fica claro que o Modelo de Jogo não é algo natural, mas, que é algo que se constrói. Por ser algo que se constrói, eu penso que cada clube deveria construir o seu Modelo de Jogo para ser colocado em prática nas suas categorias de formação e desta forma conseguir chegar até a equipe principal. Para que no  momento oportuno os jogadores oriundos das categorias de formação possam jogar na equipe principal sem precisar se acostumar com a Ideia de Jogo do Treinador. O ideal seria que, o clube conhecesse a ideia de jogo do treinador para poder contrata-lo.

Para o clube criar o seu Modelo de Jogo é preciso definir: Como Atacar? Ser dominador da bola e dominador do espaço; Como Defender? Com as linhas muito próximas; Como Transitar entre esses dois momentos? Pressão sobre o homem da bola em todas as partes do campo, domínio e passe, resistência para correr o jogo todo. Com isso, as categorias de formação já começam a ter uma identidade com o Modelo de Jogo que o clube pretende implantar e assim, facilita a promoção dos jogadores pelas categorias e também a incorporação de novos integrantes para as mesmas. E essa padronização vai acontecendo em níveis: Principiante (13 à 14 anos); Intermediário (15 à 16 anos) e Avançado (17 à 20 anos).

Destarte, para que isso seja concretizado o clube deve ter uma metodologia de trabalho unificada e baseada na abordagem sistêmica para que os jogadores cresçam e se desenvolvam com autonomia e liberdade, pois quem joga e exprime a Ideia de Jogo do treinador são os jogadores. Pois o Modelo de Jogo é tudo, é a Ideia de Jogo do treinador mais o contexto que o circunda.

Referência

TAMARIT, Xavier.  ¿Qué es la “Periodización Táctica"? Vivenciar el “juego” para condicionar el juego. Espanha: MCSports, 2007.


  


segunda-feira, 2 de novembro de 2015

PRINCÍPIO HOLOGRAMÁTICO E O MODELO DE JOGO


"... é necessário perceber-se e saber lidar com a noção de "MicroMacro" e com o Princípio Hologramático. E isso passa por reconhecer que ao se exponenciar as partes sem perda de relação com o todo,  este último poderá aceder a níveis de complexidade continuadamente crescentes, claro  está, se a fractalidade for devidamente entendida e como  tal não nos levar à fatalidade."
                                                                                                 Jorge Maciel

Muitos têm preconizado que os clubes de futebol devem ter e/ou perspectivar um Modelo de Jogo para as suas equipes. Mas, poucos comentam sobre o princípio hologramático.

Para que possamos entender a importância do princípio hologramático para o Modelo de Jogo, precisamos definir este princípio. Diferentemente das imagens comuns fotográficas e de filmes, o holograma é projetado no  espaço e reconstitui-se, com extraordinária fidelidade. Como diz Pinson apud Morin (2012), cada ponto do objeto hologramado é memorizado pelo holograma inteiro, e cada ponto do holograma contém a presença da totalidade, ou quase, do objeto. Neste caso, o Modelo de Jogo Perspectivado. Assim, a redução dos jogos sem perda de complexidade (reduzir sem empobrecer) determina não jogos mutilados (sem objetivos e/ou jogos reduzidos), mas jogos fractais completos, com um tipo de organização em que, o todo está na parte que está no todo, e a parte poderia estar mais ou menos apta a regenerar o todo. 

A organização complexa do todo (Modelo de Jogo Perspectivado) necessita da inscrição (Jogos Fractais) que seria a forma de gravar e/ou criar hábitos nos comportamentos dos jogadores referente ao todo (Modelo de Jogo Perspectivado) em cada uma das partes (Momentos do Jogo) contudo singulares; destarte, a complexidade organizacional do todo necessita da complexidade das partes, a qual necessita retroativamente da complexidade organizacional do todo. Cada parte tem a sua singularidade, mas nem por isso representa puros elementos fragmentados do todo.

No universo vivo, o princípio hologramático é o princípio essencial das organizações policelulares, já no Modelo de Jogo Perspectivado, o princípio hologramático é o responsável pelas interações que ocorrem entre as regras - jogadores - entorno - esquemas motrizes nos jogos fractais. Todos se influenciando e interagindo no ambiente caótico de um sistema dinâmico complexo de causalidade não-linear que se joga na fronteira do caos e da ordem.  

Boa semana e bons treinos a todos!

Referência

MORIN, Edgar. O Método 3: o conhecimento do conhecimento. 4 ed. Porto Alegre: Sulina, 2012. 



 

segunda-feira, 19 de outubro de 2015

DUELO ENTRE OS DOMINADORES DA BOLA E OS DOMINADORES DO ESPAÇO

"O defender bem não pode estar separado do fazer bem a transição ataque-defesa, a qual, por sua vez, tem muito haver com o atacar bem."
José Mourinho
 
Muito se ouve falar atualmente em compactação e equipes que jogam com as suas linhas muito próximas. Mas, qual a importância desse conceito tático para uma equipe?

Com essa aproximação das suas linhas (defesa - meio - ataque) a equipe que está defendendo e/ou atacando dificulta as ações ofensivas/defensivas da equipe contrária.

Muitas pessoas ligadas ao futebol e adoradoras do futebol de posse de bola, pensam que a posse de bola é um fim em si mesmo. Eu prefiro trata-la como uma ferramenta, um instrumento. Pois se a minha equipe trabalhar a posse de bola sem a progressão no terreno, não teremos efetividade ofensiva, pois a equipe contrária realizará a recomposição e se tornará compacta impedindo e dificultando o nosso ataque. O importante não é ter a bola, nem passa-la várias vezes, mas realizar a posse de bola com uma intenção. Muitas vezes, essa intenção tem haver com a sua organização ofensiva (posicionamento) e paralelamente, desorganizar o adversário. Fazer ele correr atrás da bola e se desorganizar defensivamente. No caso de perder a posse da bola, teremos mais jogadores da nossa equipe próximo ao local da perda e consequentemente poucos da equipe contrária, desta forma, podemos impossibilitar uma transição da equipe contrária com efetividade.

Percebe-se a partir dessas colocações que, no futebol há basicamente duas propostas de propor o jogo de futebol: as que se organizam a partir da bola e as que o fazem a partir dos espaços. Para os que querem jogar a base da posse de bola, devem proteger as suas costas e gerenciar o atacante e um dos meias abertos (1-4-2-3-1) principalmente dessa plataforma de jogo que é muito utilizada pelas equipes que se proponham a jogar pelos espaços. Pois a equipe que se propõe a jogar a partir dos espaços, cede a bola a equipe rival e deixará um número reduzido de jogadores entre as linhas (defesa - meio). As equipes eficazes nesta forma de jogar, recuperam a posse da bola e a passam ao jogador situado na lateral do campo, que costuma ter uma boa técnica de passe, para que entregue a bola ao atacante com vantagem mais adiantado no terreno de jogo. Se executam bem estes movimentos, recuperação, passe e assistência, podem gerar uma facilidade no costado da zaga da equipe que  estava em posse da bola e adiantada no campo de jogo.

Quem conseguir o equilíbrio entre essas duas propostas de jogo poderá ter êxito? Aguardo as respostas dos leitores.

Boa semana a todos!  

1º CEFA SOCCER CAMP


Neste final de semana ocorreu o 1º CEFA Soccer Camp nas dependências do Centro Esportivo de Futebol Alternativo (CEFA) na cidade de Cascavel|Paraná|Brasil. Evento que oportunizou uma forma de ver, pensar e executar o treinamento de futebol um pouco diferente do usual em nosso país para crianças e adolescentes e treinadores.

Há convite do Professor/Treinador Claudio Roberto da Silveira, fui à Cascavel não com o intuito de ensinar futebol, mas, oportunizar uma nova situação para algumas pessoas de repensar a maneira como vem tratando o treinamento de futebol em razão dos comportamentos que os jogadores devem assumir no treino, para posteriormente torná-los hábitos durante as partidas.




Foram dois dias de trabalho única e exclusivamente com bola, em forma de jogos fractais para mudanças de comportamentos táticos ofensivos e defensivos bem como nas suas transições. Além da parte prática, tive dois momentos para explicar a prática com teoria, para embasar e justificar o por que de se treinar desta forma e não de uma outra forma.

O que fica após esse evento? Fica uma sensação e satisfação de estar no caminho certo, pois em conversas durante o evento, percebi o interesse dos treinadores e principalmente pelas crianças e adolescentes em fazer todos os jogos fractais. Treinadores que participaram do evento tivemos, além do estado  do Paraná, treinadores dos estados do Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.

 

  

Em suma: "O defender bem não  pode estar separado do fazer bem a transição ataque-defesa, o qual, por sua vez, tem muito haver com o atacar bem." 
                                                                                          José Mourinho.

No futebol pode-se até dizer que não se pode inventar mais nada, mas que, temos continuar nos aperfeiçoando, isso é fato!


sexta-feira, 9 de outubro de 2015

A FRACTALIDADE NO FUTEBOL


Em uma partida de futebol, o quadro do jogo é organizado e conhecido, mas o seu conteúdo é sempre surpreendente, imprevisível, incerto, aleatório. Não é possível estandardizar as sequências de ações. Pode mesmo dizer-se que não existem duas situações absolutamente idênticas e que as possibilidades de combinação são inúmeras, o que torna impossível recriá-las no treino (GARGANTA e GRÉHAIGNE, 1999). Por isso, a necessidade de criação de um padrão de jogo através da geometria fractal.

A geometria fractal pode ser mais bem compreendida dentro do processo de treinamento de futebol, fazendo uma analogia simples. Quando uma fotografia é feita de uma partida de futebol, quantos jogadores aparecem na mesma? Irão aparecer quantos jogadores serão responsáveis pelo setor onde a fotografia for tirada. Por exemplo, é retirada uma fotografia, quantos jogadores vão aparecer na mesma? Neste caso, na figura acima temos um 8 vs 9, onde também podemos identificar mais três micro-confrontos, 2 vs 2; 3 vs 2 e 1 vs 1. 

E isso são os fractais que estão representando o todo. O micro representa o macro. Pois, o padrão de comportamento diz respeito ao modelo da equipe, o padrão dos comportamentos coletivos, o padrão dos comportamentos setoriais, o padrão dos comportamentos intersetoriais, o padrão dos comportamentos individuais e o padrão das respectivas interações (CAMPOS, 2008). E essas interações que representam o modelo da equipe devem ser treinadas dentro da geometria fractal. Ou, o intitulado Jogo Fractal. Os jogadores deverão entender os objetivos e as finalidades dos exercícios (Jogos Fractais) dentro do jogo todo. Para isso será fundamental o conhecimento global do jogo por parte dos jogadores, imagem mental e vivencia do mesmo (GUILHERME OLIVEIRA, AMIEIRO e FRADE s/d apud TAMARIT, 2013). Isso em substituição do jogo reduzido, que na sua grande maioria ocorre sem objetivos táticos.

A relevância prática disto pode ser entendida pela presença do jogo dentro do processo de treinamento em futebol (Jogo Fractal). E isto, ocorrerá por uma redução sem empobrecimento do jogo formal enquanto objetos fractais do mesmo (MACIEL, 2011). Pois, o jogo de futebol pode ser entendido como um sistema caótico com organização fractal. No meio do caos aparente é possível sustentar regularidades organizacionais, isto é, modelar e padronizar uma dada forma de jogar (OLIVEIRA et al., 2007). Brito (2003) afirma que, dentro de um modelo de jogo, existem vários princípios para serem trabalhados durante os treinos. O referido autor relata que, os princípios de jogo são linhas orientadoras básicas que coordenam as atitudes e comportamentos táticos dos jogadores quer no momento ofensivo, quer no momento defensivo, bem como nas suas transições. Como bem relata Maciel apud Tamarit (2013), é graças à redução sem empobrecimento que se asseguram as dominâncias desejadas para cada uma das unidades de treinamento. Uma redução que sendo qualitativa, uma vez que se reporta a complexidade de um jogar, também é quantitativa, já que a configuração dos exercícios (jogos) de treinamento e o modo como o jogar é vivenciado (sem perda de Especificidade), requer que o treinador manipule e articule com parcimônia as seguintes variáveis: espaço, número de jogadores e tempo. Ou seja, reduzir sem empobrecer é sustentar essa redução na articulação de sentido com o todo. Corroborando com os autores, podemos entender um fractal como uma parte regular de um sistema caótico que, pela sua estrutura e funcionalidade, consegue representar o todo, independentemente da escala considerada. Se estilhaçarmos um sistema caótico em subsistemas, podemos neles encontrar, qualquer que seja a escala, uma auto-semelhança com o todo. Desta forma, os autores defendem ser possível emprestar uma organização fractal a todo o processo de treinamento, para obter uma auto-semelhança, tanto ao nível dos padrões de comportamento como da produção do processo, nas suas diferentes escalas de manifestação (SOARES, 2009).

Referências

BRITO, J. Documento de apoio à disciplina de Opção II – Futebol, UTAD, Vila Real. Não Publicado, 2003.
CAMPOS, C. A justificação da Periodização Táctica como uma fenomenotécnica: a singularidade da intervenção do treinador como sua impressão digital. Espanha: MCSports, 2008. 
GARGANTA, J.; GRÉHAIGNE, J. F. Abordagem sistêmica do jogo de futebol: moda ou necessidade? Movimento, Ano V, n 10, 1999.
MACIEL, J. Não o deixes matar o bom futebol e quem o joga. Pelo Futebol Adentro não é perda de tempo! Portugal: Chiado, 2011.
OLIVEIRA, B. F. M. et al. Mourinho: por qué tantas victorias? Espanha: MCSports, 2007.
SOARES, P. Transições: uma instantaneidade suportada pelo “equilíbrio” ...a representatividade da fluidez que o “jogar” deve manifestar. Monografia de Licenciatura. Não Publicado. Porto: 2009.
TAMARIT, X. Periodización Táctica vs Periodización Táctica. Espanha: MBF, 2013.



domingo, 4 de outubro de 2015

TERRITÓRIO E FUTEBOL: CHAPECÓ NA ROTA DOS TORNEIOS CONTINENTAIS DE FUTEBOL


No início da temporada de futebol 2015 os clubes de Santa Catarina chamaram a atenção por ter quatro equipes disputando a Série A do Brasileiro. No mês de outubro, nos dias 21 (em Buenos Aires) e 28 (em Chapecó) teremos o embate entre River Plate (atual campeão da Copa Libertadores da América) VS Chapecoense, jogo este que será histórico para a região oeste do estado de Santa Catarina, pois novamente atrai os olhares do país e agora do continente para a cidade de Chapecó.

A região oeste catarinense foi a região que se consolidou mais tardiamente no início do século XX com o Acordo de Limites entre Chapecó e Concórdia. A região oeste do estado de Santa Catarina se especializa em produtos de origem agro-alimentar. Para que possamos compreender melhor isso, precisamos voltar no tempo e entender o estado catarinense pela sua ótica econômica. A estrutura da economia catarinense, caracterizada pela diversificação setorial e pela concentração das principais atividades em determinados espaços do território, estabeleceu uma rede urbana baseada em pequenas e médias cidades. Portanto, do ponto de vista econômico destacam-se as cidades de Lages e Caçador, ligadas ao  setor madeireiro; Chapecó e Concórdia, ligadas ao setor agro-alimentar; Itajaí, cidade do principal porto do estado; Blumenau, Joinville, Jaraguá do Sul, Brusque e Criciúma, ligadas às atividades industriais e Florianópolis, a capital administrativa.

                              Complexos da Economia Catarinense


Os clubes de futebol de Santa Catarina e as suas indústrias apresentam um plano de marketing diferente dos outros estados quando o assunto é futebol. Pois se utiliza das empresas regionais, com a sua exposição aliadas aos clubes de futebol do estado ao longo do tempo, para buscar projeção e fortalecimento no mercado local. Melo Neto (2007) define marketing esportivo como “um tipo de marketing promocional”. Ele diferencia o marketing esportivo do marketing publicitário tradicional pelos seguintes motivos: dá chance do consumidor participar ativamente deste mercado; e possibilita uma ótima resposta ao nível de imagem e de vendas, pois atinge o consumidor de forma mais rápida e direta. Mesmo que o consumidor não queira, ele tem contato direto com a marca espantada na camisa do clube que ele é simpatizante.

Também é possível através do esporte a regionalização da mídia e segmentação de mercado. Ao vincular a marca da empresa ao esporte, ela obtém alto poder de penetração na mente do consumidor, pois o momento encontra-se disponível para aquela situação. Uma das vantagens do marketing esportivo é sua capacidade de fixação da marca ou do produto da empresa investidora na mente do consumidor (MELO NETO, 2007). Os torcedores aficionados pelo futebol ou o mercado de simpatizantes de um clube são os potenciais consumidores de um bem (CARDIA, 2004). Para Melo Neto (2007) “a segmentação é a maior vantagem do marketing esportivo”. Os atributos e características do marketing esportivo fazem dele uma ação de baixo custo, de grande eficácia, e o torna indispensável em qualquer plano estratégico de marketing e comunicação para empresas que se destacam pela liderança em seus mercados e pela excelência empresarial (MELO NETO, 2007).

Essa regionalização da mídia através de patrocínios dos produtos regionais nos clubes de futebol de Santa Catarina é evidente. 
               Patrocínio do Frigorífico Aurora na camisa da Chapecoense

A cidade de Chapecó têm uma população estimada em 2015 de, 205.795 pessoas. Fazendo  um paralelo, é a cidade com menor população que detêm um clube na Série A do Campeonato de Futebol e consequentemente, a menor cidade em população que possui um clube disputando  as quartas de final da Copa Sulamericana (do Brasil na história).  

Destarte, isso corrobora que, o esporte influencia no desenvolvimento de um território e uma cidade desenvolvida tende a provocar uma transformação positiva no esporte local. Chapecó é a prova viva disso. 

Referências

 CARDIA, W. Marketing e Patrocínio Esportivo. Porto Alegre: Bookman, 2004.  

 MELO NETO, F. Marketing Esportivo. Rio de Janeiro: Record, 2007.
  



JOGO FRACTAL PARA POSSE E CIRCULAÇÃO DA BOLA E RECUPERAÇÃO DA POSSE DE BOLA


5 vs 5 + 4 coringas. Cada equipe ao ter a posse da bola deve ter um jogador em cada setor. A equipe sem a posse de bola pode ocupar livremente o espaço de jogo e deve buscar criar dobras de marcação no setor onde a bola estiver.




segunda-feira, 28 de setembro de 2015

JOGO FRACTAL PARA A PENETRAÇÃO


Em um espaço de 30 metros, jogam 3 equipes formadas por 4 jogadores. Devem ser marcados, dois setores de pontuação ao final dos dois lados do campo. A equipe “A” (equipe do meio) sai com a bola a jogar contra a equipe “B” (equipe posicionada à esquerda) e tenta penetrar no setor de pontuação mediante um passe em profundidade e/ou condução. Se houver sucesso, marca 1 ponto e vai ao outro lado atacar a equipe “C”. Porém, se a equipe “B” recuperar a bola, ela vai atacar a equipe “C” e a equipe “A” ficará no lugar da equipe “B”.