Abordagem de Ensino Baseada no Jogo

segunda-feira, 31 de outubro de 2016

JOGO FRACTAL PARA ABERTURA DE ESPAÇOS APÓS O ROUBO DA BOLA


Descrição

3 vs 3 + 2 coringas. Em dois dos lados do quadrado há um coringa. Os outros dois lados são ocupados por um jogador de uma das equipes que está em posse de bola, entretanto o terceiro integrante se encontra dentro do setor de jogo. O objetivo é manter a posse da bola e os outros tentam roubá-la. Quando conseguem há uma troca de posições rápida (sem parar o jogo). Se conseguir recuperar antes dos 3 passes rivais, após a perda, é 1 ponto.
Referência

POL, Rafel. La Preparación Física en el fútbol: el proceso de entrenamiento desde las ciencias de la complejidad. 2 ed. MCsports, 2013. 


quinta-feira, 27 de outubro de 2016

TOMADA DE DECISÃO EM AMBIENTE DE JOGO


Vídeo da Atividade


Particularmente, sempre busco criar ambientes de aprendizagem nas minhas aulas/treinamentos. Contrariamente a proposta feita por outras metodologias de trabalho  que baseiam a tomada de decisões em processos meramente cognitivos, independentes do  entorno em que estas acontecem, eu procurar buscar uma transferência para o ambiente competitivo mediante a inferência dos processos cognitivos previamente estimulados. Destarte,  ao entender que a ação do  aprendiz/esportista modificará a informação presente no entorno, e será esta informação a que guia o  aprendiz/esportista em suas decisões e ações, entendemos que os processos de decisão e ação são interdependentes, formando  um ciclo de retro-alimentação constante entre os processos de percepção e de ação.

Destarte, resulta difícil definir uma hierarquia entre decisão e ação. Uma ação é uma interação funcional entre o aprendiz/esportista (no caso do  futebol jogador) e seu entorno com um determinado propósito e uma decisão esta condicionada pelo entorno (o que pode ser feito) em função das capacidades de ação do  aprendiz/esportista, sendo  um processo emergente, fruto da estratégia ativa em  busca de soluções caracterizada por sequências espaço-temporais em relação entre o aprendiz/esportista e o   entorno. Por isso é importante insistir na incoerência de dividir os processos de decisão (tática) e os processos de ação (técnica/condição física) no processo  de treinamento, como assim nos corrobora a neurociência.

quarta-feira, 20 de abril de 2016

OS AMANTES DO FUTEBOL AGRADECEM

No último final de semana tive uma grata surpresa. Acompanhei o jogo entre, Grêmio Osasco Audax versus São Paulo Futebol Clube do sofá da minha sala. Confesso, não assistia uma partida inteira de uma equipe nacional havia algum tempo.
 
O que me chamou muito a atenção foram, os conceitos de futebol implementados e bem executados por essa equipe de futebol. Dominou a equipe do São Paulo Futebol Clube na maior parte do tempo de jogo. Mostrando, ao contrário do que o treinador do nosso selecionado nacional afirmou dias atrás para um grande veículo de comunicação, futebol é coletivo! O talento individual não é pré-requisito para formar um equipe vencedora. Sou da opinião que, o talento nasce da coletividade. Graças ao Fernando Diniz e a sua comissão técnica, isso está sendo mostrado.
 
Para quem não sabe, o auxiliar técnico da equipe do Grêmio Osasco Audax é o professor Eduardo Barros, aquele mesmo que, com muita gentileza veio à Porto União - SC no ano de 2015 para ministrar uma palestra na Universidade do Contestado - UnC Campus Porto União, onde eu leciono. Eduardo Barros, um jovem profissional que vem a cada ano, demonstrando que o estudo do futebol vale a pena, que os paradigmas estão aí para serem superados, que a ideia, a boa ideia sobre futebol deve ser pensada e colocada em prática. 
 
Enfim, sábado às 18h30 teremos mais um capítulo dessa odisseia do futebol que é o Grêmio Osasco Audax. 
 
Destarte, parafraseando Jorge Maciel "Não deixes matar o bom futebol e quem o joga"! Pois, os amantes do futebol agradecem.  

Obrigado Grêmio Osasco Audax, por contratar pessoas que pensam o futebol com boas ideias.
  
 
 

quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

CAUSALIDADE E O BINÔMIO DESEMPENHO/RECUPERAÇÃO NO FUTEBOL


Qual é a quantidade do esforço para as cadeias musculares das pernas durante um treinamento na caixa de areia? Qual a qualidade de um trabalho feito na caixa de areia? Após uma atividade como  está, qual a atividade que posso desenvolver para os jogadores sem agravar a fadiga?

No futebol e em qualquer outra atividade física desportiva, treinamos para melhorar a forma de adaptação. E, segundo a teoria e metodologia do treinamento desportivo, temos diferentes tipos de adaptação:
  1. Fenômenos de adaptação morfológicos;
  2. Adaptações biopositivas e bionegativas;
  3. Sistemas de adaptação rápida e lenta;
  4. Adaptações específicas e não específicas.
Neste caso específico, vamos nos ater no item 2, adaptações biopositivas e bionegativas. Segundo Weineck,  2005, p. 14:
"... se os estímulos forem apresentados qualitativa e quantitativamente de forma - observando-se a capacidade de receber carga de cada sistema biológico -, resulta uma melhora da capacidade de desempenho, pela formação de novas estruturas de suporte (adaptação biopositiva), mais propícias a um bom desempenho. Um excesso de estímulos, por outro lado, leva a uma adaptação bionegativa - também chamada de má adaptação - e apresenta uma exigência exagerada do sistema, com momento de prejuízo."
Se não soubermos quantificar a dosagem do esforço que uma atividade terá sobre a musculatura exigida, poderemos causar uma adaptação bionegativa no jogador se, não dermos o tempo de descanso necessário para essa musculatura.


Na figura acima podemos observar isso no sistema muscular (a) no sistema ligamentar e de sustentação (b) e após uma recuperação incompleta (c). Se isso não for respeitado, muito provavelmente os jogadores estarão trabalhando sempre em um processo aquém do que seriam capazes. Destarte, derrotas começam  a surgir e o que se faz, aumentam as demandas físicas de trabalho.

Se estamos tratando do tema causalidade e o binômio desempenho/recuperação, temos que comentar sobre o tempo, correto? Segundo Prigogine (2002, p. 21) "o reaparecimento do paradoxo tempo deve-se essencialmente a dois tipos de descobertas. O primeiro consiste na descoberta das estruturas de não equilíbrio, também chamadas de 'dissipativas'. (...)". A estrutura dissipativa só existe quando  o  sistema dissipa energia e permanece em interação com o mundo exterior, é isso que ocorre quando se pratica futebol. O sistema busca equilíbrio e as atividades que propomos causam desequilíbrios ao sistema. Assim surge, outro fenômeno, o da auto-organização. De acordo com Morin (2013, p. 282-283) o fenômeno da auto-organização refere-se à aptidão de um sistema para criar novas estruturas e estabelecer um nível novo de ordem e organização, após sofrer perturbações aleatórias, de maneira que quanto mais complexos forem os comportamentos do sistema, mais ele manifestará capacidade para se adaptar em relação ao entorno.

Trabalhar o entorno, não é mudar de terreno, mas, ter a percepção de quê, a movimentação dos jogadores da sua equipe e da equipe contrária como condicionantes da atuação individual do futebolista, pois, os princípios dinâmicos da tomada de decisão e de como esta surge da interação entre neurônios interconectados, se baseiam em modelos em que a decisão se associa a uma transição entre atratores, ou estados estáveis, da rede. Esta transição entre estados é induzida por "inputs" seletivos associados a um estímulo, que modifica a paisagem dos atratores do sistema, favorecendo a transição entre o atrator neutro e um atrator seletivo, associado a uma escolha categórica (MARTI ORTEGA apud POL, 2013, p. 25). E, esse processo desgasta mais do que apenas o aspecto físico. 

Doravante, Frade (apud TAMARIT, 2013, p. 131) nos alerta para o estado de falência circunstancial do funcionamento de qualquer átomo ou de qualquer órgão é um estado de parabiose. Este é um processo que relata a união de elementos vivos. Neste caso, representa os estímulos qualitativos do treinamento e com o  propósito de articulação que este fenômeno desencadeia, após a desestruturação gerada, faz emergir uma determinada engendração conforme o estímulo que a motivou. Se trata de um processo de auto-organização que concebe o organismo e suas partes constituintes como estruturas dissipativas susceptíveis para aspirarem níveis de complexidade crescentes. Em si, não se respeitando isso, ocorrerá a "paranecrose" (FRADE apud TAMARIT, 2013, p. 131) que é o fenômeno análogo do descrito na parabiose, pois seus efeitos, pela diferença qualitativa há nível de estímulo, pela não devida contemplação do tempo de recuperação, motiva a morte dos elementos vivos, e sua consequente perda de complexidade por parte do sistema.

  

Em suma, para entendermos o processo de treinamento, dentro da causalidade binômio desempenho/recuperação não devemos procurar os "picos de forma", mas, níveis de desempenho elevados, ou seja, treinabilidade que permitam que a equipe mantenha um nível de adaptabilidade e funcionalidade e de interação eficaz e eficiente, que perdure durante todo o processo de tempo da competição, e/ou melhor, de jogo a jogo sem causar a "paranecrose".

Referências

MORIN, Edgar. Ciência com consciência. 15 ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2013.

PRIGOGINE, Ilya. As leis do caos. São Paulo: Editora UNESP, 2002.

POL, Rafel. La Preparación Física en el fútbol. El processo de entrenamiento desde las ciencias de la complejidad. MC Sports, 2013.

TAMARIT, Xavier. Periodización Táctica VS Periodización Táctica: Vítor Frade aclara. MBF, 2013.

WEINECK, Jürgen. Biologia do Esporte. 7 ed. Barueri - SP: Manole, 2005.