Abordagem de Ensino Baseada no Jogo

sábado, 26 de dezembro de 2015

CAOS, ACASOS e CAUSALIDADES NA PREPARAÇÃO FÍSICA

Como a preparação física vem sendo encarada no futebol? Muito se tem falado sobre mudanças no futebol, baseadas na abordagem sistêmica, teoria do caos, entre outras. Entretanto, não temos visto muitos profissionais defendendo e aplicando essas ideias na área da preparação física. 

Dentro de alguns dias, teremos início no futebol brasileiro a tão "temida" pré-temporada. É correto afirmar que a pré-temporada serve para "carregar as baterias" para o  restante da temporada? Outra questão, o que é o estado de forma física? É a capacidade de correr mais e mais rápido? É a capacidade de saltar mais alto?

Me parece que, estamos muito longe de entender a verdadeira complexidade da aplicação de estímulos que melhorem as interações futebolista-contexto, e mais nos processos de interação tão complexos como os que se produzem no futebol.

Uma teoria que para mim pode ser utilizada para aproximar a preparação física dentro da abordagem sistêmica é a da Teoria das Estruturas Dissipativas, elaborada pelo físico-químico Ilya Prigogine. Estruturas Dissipativas são sistemas comumente encontrados na natureza, que se caracterizam por estarem abertos a fluxo de matéria e energia, sendo assim, apresentam uma entrada (input) e uma saída (output). Por estarem afastados do equilíbrio entende-se que são sistemas fluentes, dinâmicos.  Uma estrutura dissipativa se constitui em dois momentos:

  • O primeiro momento é linear e corresponde à segunda lei da termodinâmica, onde os escoamentos (desgaste físicos) são mínimos; 
  • O segundo é não-linear; o processo se torna irreversível e só poderá ser descrito pela termodinâmica dos sistemas irreversíveis (situações que só o  jogo produz).
O primeiro momento, podemos caracterizá-lo como as atividades tradicionais da preparação física, atividades que se preocupam apenas com as capacidades física (resistência, força, velocidade) sem levar em conta as tomadas de decisões que o jogo de futebol exige (onde pela cansaço emocional  o desgaste será sempre maior do quê, apenas o desgaste físico). 
Já o segundo  momento, seria constituído pelas situações próximas do jogo de futebol (com tomadas de decisões) e ligadas a ideia de jogo da equipe (adaptações que os jogadores necessitam realizar para desenvolver o  jogo).

Em se tratando da preparação física, ainda o problema do fornecimento de energia para a atividade física (prática do futebol) em fisiologia é tratado do ponto de vista da cibernética, com uma entrada (input) que seriam as cargas de trabalho, e na saída (output), são observados: frequência cardíaca; consumo de oxigênio; eliminação de gás carbônico; modificação da concentração de ácido lático no sangue. Ficando fora desse contexto na maioria das vezes, as propriedades morfológicas ou leis biológicas do desenvolvimento dos processos da adaptação. 
    
Destarte, voltando ao questionamento inicial sobre a capacidade da pré-temporada, ao analisar a duração das adaptações produzidas pelo treinamento observa-se que está crença não tem base fisiológica, já que as adaptações produzidas pelo treinamento não podem manter-se por um tempo tão prolongado.
A pré-temporada deviria ser tratada como um processo de readaptação do jogador há atividade competitiva e um processo de coadaptação treinador/jogadores. Este processo de coadaptação se refere a ideia de que, não só os jogadores se adaptam as pré-concepções futebolísticas de determinado treinador e as concepções de jogo que tenha previsto aplicar, mas que o treinador deveria observar e analisar os comportamentos mais ou menos instaurados nos jogadores para poder atuar conforme as necessidades específicas daquele grupo de jogadores (POL, 2013).   
   

Em suma, trabalhos de prevenção e de readaptação, pois em um plantel de jogadores de uma equipe de futebol, sempre teremos questões muito complexas como: idades diferentes, histórico de lesões, tempo de inatividade entre as temporadas, entre outras. Isto tudo tem que ser levado em conta no início da pré-temporada.

Feliz 2016 a todos!

Referência   

POL, Rafel. La Preparación Física en el fútbol: El processo de entrenamiento desde las ciencias de la complejidad. MC Sports: 2013.

Um comentário:

  1. Felissimo comentario.perfeito na ordem atual e a demanda de conhecimento que exige hoge dos profissionais do futebol.

    ResponderExcluir