Abordagem de Ensino Baseada no Jogo

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

COMPLEXIDADE, PREPARAÇÃO FÍSICA E FUTEBOL


"A totalidade da ciência não é mais que um refinamento do pensamento cotidiano."
Albert Einstein, 1950


Estamos observando uma crescente tendência do treinamento de futebol deixar o aporte metodológico baseado no cartesianismo e buscar auxílio nas ciências com cunho sistêmico (complexidade).

Assuntos como, complexidade e preparação física ainda precisam ser melhor discutidos e compreendidos no âmbito do futebol nacional. Pois, em muitos casos (âmbito acadêmico e trabalhos práticos), ainda estamos pensando a preparação física descontextualizada do Modelo de Jogo Adotado e/ou Construído para a equipe.  O que quero dizer com isto? Que temos que introduzir o conceito da condição física da equipe, que é diferente da soma das capacidades físicas dos jogadores que formam à equipe. As ciências da complexidade proporcionam uma versão mais aproximada a realidade do ser humano dentre as demais formas de explicação que se tem utilizado nos últimos tempos. Para Prigogine (1979) temos que entender este novo paradigma como uma "Estrutura Disipativa", organização que interage com outros seres vivos, porque graças há conformação do ser humano, adquire uma diferenciada complexidade de dispor estes em sistemas e subsistemas específicos que lhe proporcionam uma funcionalidade só por ele aumentada. Partindo destas premissas, as intervenções do ser humano durante os jogos e os treinamentos, são entendidas não como ações, mas se transformam em interações, pois tanto o meio como o jogador se modificam durante e depois de cada intercâmbio específico.

Tradicionalmente na preparação física no futebol se tem incluído as magnitudes ou capacidades de força, velocidade e resistência, nomenclaturas que pertencem a física clássica, onde força e a velocidade se contemplam como magnitudes mecânicas, entretanto, curiosamente a resistência poderíamos dizer que é uma magnitude biológica. Como entendemos isso? Porque a força no ser humano é gerada por ele mesmo, com seus músculos transformando sua energia bioquímica em energia mecânica, permitindo-lhe mover seus segmentos do corpo e realizar trocas com o meio através de distintas formas e dimensões, entre elas, movimentos com velocidade e resistência, segundo se comporta a força na duração da tarefa com o tempo. Quanto a velocidade, podemos elucidar outro exemplo, como processo de interação entre o jogador e o meio onde se estabelecem interações Espaço-Tempo-Tarefa para obter um objetivo nos entornos variáveis do jogo que para a sua resolução necessitam de sistemas e subsistemas pertencentes as Estruturas Cognitivas, Emotivo-Volitiva, Coordenativa e Bioenergética de forma preferencial.

Destarte, como posso trabalhar apenas acelerações dos jogadores, sem levar em conta os entornos do jogo e achar que estou fazendo um bom trabalho de preparação física? 

sábado, 12 de julho de 2014

O QUE OS 7 X 1 NOS MOSTRAM



Agora fica fácil dizer que o futebol brasileiro está ultrapassado. Que a culpa é das categorias de formação que estão sendo dirigidas por "treinadores da faculdade" que não sabem dominar uma bola. Mas, o que me deixa intrigado é a gestão do nosso futebol. Qual é a função da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e suas afiliadas?

A entidade máxima do nosso futebol não tem um calendário apropriado para as categorias de formação do nosso país; lembrando que o nosso país tem dimensões continentais, com vinte e sete federações estaduais de futebol e essas afiliadas a CBF, não se preocupam em oportunizar um curso de formação para treinadores (já que a faculdade não pode fazer isso). Sei que existe um curso de formação na Granja Comary promovido pela CBF (mas, para mim é muito pouco) para um país como já relatado, com dimensões continentais. Desta forma, a CBF em parceria com as federações estaduais poderia oportunizar um curso dentro de cada Estado da Federação para poder disseminar esse conhecimento sobre futebol para todos que não tem condições de frequentar esse curso da Granja Comary. Campeonatos abaixo do SUB 15 também inexistem com a chancela da CBF. Poderiam criar campeonatos por todo o país do SUB 14 para baixo adaptado como acontece na Europa (em formato de 7 vs 7; 5 vs 5).

Outra questão pertinente seria, cuidar melhor dos jovens jogadores que vão muito cedo para outros países jogarem futebol. Só nesta seleção temos dois exemplos disso: David Luiz e Hulk, que foram muito novos para a Europa e lá se tornaram jogadores profissionais (sendo assim, o mérito de formação é dos europeus e não dos clubes brasileiros). A CBF (no meu entendimento não tem controle de quantos jogadores em fase de formação deixam o país para ir a Europa em busca do sonho de ser jogador). 

Isto posto, temos que lembrar a revolução que ocorreu no futebol alemão foi atrelada à escola. Não existe formação de atleta (jogador de futebol) sem o auxílio da escola (ciência). Estive recentemente na Costa Rica e esse processo começa a ser adotado também neste país caribenho. Essa questão de ter sido jogador e ser estudioso sobre o futebol no Brasil deveria ser melhor aproveitada com uma junção de saberes. Sendo que, os dois lados tem muito a contribuir para o crescimento do futebol nacional.  

Quem sabe, esse processo um dia segue por essas terras de coronéis que continuam no poder e fazendo mal a muita gente, principalmente ao nosso futebol.  

sábado, 21 de junho de 2014

SERÁ MESMO O FIM DO TIKI-TAKA?


Nesta Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014, muitos estão preconizando o fim de um estilo de jogo de futebol, o Tiki-Taka. Estilo que consagrou uma geração de jogadores espanhóis que foi duas vezes campeões europeus e uma vez mundial, sem contar os inúmeros títulos do FC Barcelona, clube que ajudou a popularizar (e por que não, causar uma certa antipatia para com os espanhóis). 

Destarte, com a transferência de Pep Guardiola para FC Bayern München (o treinador que melhor colocou este estilo de jogo na prática) pode-se observar uma transferência desse estilo de jogo para o clube alemão e por que não, podemos dizer para a seleção alemã. Assistindo aos jogos da Alemanha neste mundial, identificamos uma equipe alemã que prioriza a posse e manutenção da bola em todos os momentos do jogo. Trocando passes pacientemente para tentar desorganizar a defesa adversária e no momento da perda da posse da bola (transição defensiva) os jogadores tentam recuperar a posse da bola no mesmo setor da perda. Lembrando que, este princípio era o grande diferencial do FC Barcelona de Guardiola. 

Sendo assim, acreditamos que não será o fim do tiki-taka, apenas esteja acontecendo um declínio nas equipes espanholas (Seleção e FC Barcelona) e uma transferência para o FC Bayern München e a Seleção da Alemanha (que não joga mais com um centro-avante de referência), opta pela movimentação de seus jogadores e troca de passes rápidos e penetrações.

Enfim, o legado do tiki-taka continua... ou não? 

  

domingo, 1 de junho de 2014

ESTÉTICA DE JOGO E A MIOPIA SOBRE SEUS MOMENTOS


Todos vamos concordar que a estética do jogo de futebol sempre é observada e enaltecida no momento ofensivo (ataque). Mas, será que os outros momentos do jogo não possuem estética? Muitas discussões acaloradas acontecem sobre a forma de se jogar no futebol. Lembrando que não existe apenas uma, mas, muitas formas de se jogar futebol ou vários "futebois". 

Estamos a onze dias do início da Copa do Mundo de Futebol e não podemos achar que todas as trinta e duas seleções participantes vão jogar em posse de bola e ataque posicional. Muitas irão jogar com bloco defensivo baixo e explorando os espaços deixados nas costas da última linha das equipes que jogarão em posse de bola (contra-ataque). Será que o jogo de futebol apresentado dessa maneira não tem estética? Somos impelidos em achar que o jogo ofensivo tem uma estética maior que se sobressai
 sobre os outros momentos do jogo. Ou melhor, temos uma miopia sobre os outros momentos do jogo (organização defensiva, transição ofensiva e transição defensiva). Não conseguimos olhar o jogo dentro da inteireza inquebrantável que ele necessita. Observamos meio jogo, ou pior, menos que isso. Por isso só achamos que o jogar no ataque é belo.

O jogo de futebol é muito mais do que só atacar (ter a bola). E muita equipes entendem a sua realidade e buscam outras formas de jogar, que para muitos não tem estética. Mas, a transição defensiva (o perder a bola voltar a defender) e a organização defensiva (defesa organizada) tem muito de estética, tanto quanto o momento ofensivo. 

Destarte, os momentos do jogo não podem ser tratados de um modo estanque, consequentemente a estética do jogo não pode ser apenas afirmada no momento ofensivo. E os óculos da complexidade nos ajudam a reduzir essa miopia.  

sábado, 5 de abril de 2014

JOGO FRACTAL CONCEITUAL PARA O FALSO 9

Princípio: Construção de situações de Ataque;

Subprincípio: Progressão com superação de linhas defensivas;

Complexidade: 3 (média alta)

Objetivo: Desorganização da defesa adversária através de movimentações constantes dos atacantes;

Tempo: 5 X 6'

Adaptação Biológica: Resistência Específica

Materiais: Discos, Coletes e Bolas

Descrição

Número de jogadores 12 (6 : 6)

Jogo fractal conceitual 6 : 6 onde, o atacante centralizado tem a função de se movimentar e procurar jogar a frente do zagueiro e nas costas do meia (jogo entre linhas) para causar um desequilíbrio na defesa adversária e dessa forma, deixando um espaço para ser ocupado pelo atacante de lado do campo (ponta e/ou extremo). A equipe marca ponto quando algum jogador receber a bola (penetração) no espaço longitudinal do campo. 

sábado, 15 de fevereiro de 2014

JOGO CONCEITUAL PARA A DEFESA A ZONA PRESSIONANTE

Princípio: Pressing

Sub-Princípio: Zona Pressionante

Complexidade: 3 (média alta)

Objetivos: Controlar os potenciais receptores mais próximos

Tempos: 6 X 8' 

Adaptação Biológica: Resistência Específica

Materiais: Discos, coletes e bolas

Descrição

Número de jogadores 12 (5:5 + 2 coringas)

Jogo Conceitual 5 : 5 + 2 coringas para controlar os potenciais receptores de passes mais próximos. Em um 5 : 5 + 2 coringas como disposto no campograma, pressionar constantemente o possuidor da posse da bola, quando este realizar o passe, o defensor direto deve abandonar o jogador que realizou o passe e pressionar o atual portador da posse da bola. Nessa situação, um companheiro deve abandonar o seu oponente e pressionar o adversário que realizou o passe. Sair do espaço específico para realizar o pressing e retornar a posição toda vez que não recuperar a posse da bola.  

sábado, 1 de fevereiro de 2014

JOGO CONCEITUAL PARA LIBERAR O COMPANHEIRO

Princípio: Posse e Valorização da Circulação da Posse da Bola;

Subprincípio: Criação de superioridade numérica; 

Complexidade: 2 (média);

Objetivo: Criar superioridade numérica posicional ao redor do possuidor da bola;

Tempos: 3 X 8';

Adaptação Biológica: Resistência Específica;

Materiais: Discos, coletes e bolas.

Descrição

Número de jogadores 14 (5 : 5 + 4 coringas)

Jogo conceitual 5 : 5 + 4 coringas para criar superioridade numérica posicional ao redor do possuidor da bola. Em um 5 : 5 com 4 coringas como disposto no campograma, mantendo a posse da bola. Os coringas jogam com a equipe de posse da bola, quando a bola chega até um coringa, este deverá provocar, mediante a condução da bola do exterior para o interior do campo de jogo (que está em igualdade numérica) se converta em superioridade para prosseguir mantendo a posse da bola. O coringa não deve passar enquanto um colega não estiver liberado da oposição do adversário. 

sábado, 18 de janeiro de 2014

JOGO TÉCNICO 1 : 1 + GOLEIROS

Jogo muito bom para a pré-temporada!

Princípio: Contra Ataque;

Sub - Princípio: Construções de situações de ataque/Evitar a construção de situações de ataque;

Complexidade: 1 (fácil);

Objetivo: Resolução de situações 1 : 1 no momento ofensivo/defensivo e finalização;

Tempos: 10 X 1'                                                   Recuperação: 1';

Adaptação Biológica: Força Específica (disputa 1 : 1 e mudanças de ritmo e de direção em alta intensidade);

Materiais: Bolas, discos e coletes.

Descrição

Número de jogadores 5 ( 1 : 1 : 1 + 2 goleiros)

Jogo técnico de situações de 1 : 1 + goleiro. Se o atacante completa a situação superando o defensor e finalizando (marcando o gol ou não), ataca a outra baliza, haverá a mudança se perder a posse da bola para o defensor que vai atacar o colega que está esperando.  

quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

JOGO BONITO. COMO ISSO É POSSÍVEL?


Acompanhando as movimentações e notícias nesse início de ano dos clubes brasileiros, ouço alguns comentários sobre jogar bonito. Mas o que é jogar bonito? Historicamente, tivemos uma equipe brasileira que jogou bonito a Seleção de 1982 (entretanto, não ganhou o mundial). O seu comandante, o treinador Telê Santana era adapto de um jogar futebol de posse da bola, equipe buscando o ataque a todo instante. E isso, era sinônimo do futebol arte brasileiro referência no mundo todo. Mas, como no Brasil futebol é resultado, com duas participações em Copas do Mundo (1982 e 1986) e nenhum título parece que esse jogo bonito brasileiro foi substituído por um jogo mais pragmático que trouxesse títulos (exemplo a Seleção de 1994). 

Esse jogo bonito que os treinadores buscam, dependem dentre outras questões de jogadores habilidosos e de grande qualidade técnica. Além do treinador possuir alguns princípios de jogo bem definidos para todos os momentos do jogo (sem perder as suas interações com o todo). 

Hoje temos referência de jogo bonito de futebol sempre fazendo menção ao futebol europeu. FC Barcelona, FC Bayern München, Arsenal FC, entre outros. O incrível é que, não figuram equipes brasileiras neste jogo bonito de futebol. Equipes brasileiras em recentes confrontos com equipes europeias e de outros continentes (Ásia) não conseguem jogar bonito e muito menos, vencer essas equipes (exemplo o São Paulo FC na Audi Cup, o Santos FC no amistoso contra o FC Barcelona e o Clube Atlético Mineiro contra o Raja). 

Neste sentido, o que falta para os clubes brasileiros começarem a jogar bonito futebol? Ao contrário, a nossa Seleção conseguiu vencer a Copa das Confederações jogando bonito a sua final contra a Espanha (referência de jogo bonito para muitos). Ao contrário, o campeonato nacional de futebol é carente de jogos que empolguem ao ponto de ser considerado um jogo bonito. Será isso por falta de jogadores com habilidade e qualidade técnica dentro dos clubes nacionais? Falta de ideia dos treinadores (Modelo de Jogo) definida para o jogar da equipe? Ou falta de continuidade de trabalho dos treinadores nas equipes brasileiras, já que por aqui as diretorias não mantém um treinador por muito tempo no cargo?

Existe muitas maneiras de jogo bonito no futebol, cada um terá a sua. Mas, para que ela entre em campo é necessário, possuir jogadores com habilidade e qualidade técnica no elenco, ideias boas para o Modelo de Jogo da equipe e tempo para a sua implementação (no mínimo 6 meses) para que a equipe comece a assimilar as propostas requeridas pelo seu treinador nas sessões de treinamentos e coloca-las na prática durante os jogos. 

Não esquecendo que, futebol é resultado! E para muitos a curto prazo. E com isso, o jogo bonito as vezes fica para outra hora.