Abordagem de Ensino Baseada no Jogo

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

COMENTÁRIOS SOBRE O SISTEMA 1-4-3-3


O sistema de jogo é ótimo para desenvolver uma boa fase de ataque, além de respeitar os cinco princípios de tática ofensiva, garante muito espaço sobre a frente ofensiva oposta que possui só atacante central, assim pode-se criar inserções e recortes (mudanças de direção para as zonas centrais do campo, horizontais) por parte dos meios-campos e dos atacantes da ala, os espaços criados ao lado do centro-avante servem para realizar diagonais e verticais, sempre considerando atentamente a importância do tempo de ação, toda manobra de ataque baseia-se sobre a coordenação de movimento dos três atacantes, que como se observará mais adiante, multiplicam-se as situações ofensivas.

CARACTERÍSTICAS DOS JOGADORES

O centro-avante, deve possuir uma grande presença física, sendo que deverá sustentar todo o peso de frente do ataque, além de ser muito habilidoso ao receber os lançamentos e servirá de apoio para as triangulações e servir de recorte para jogar por trás dos defensores adversários, quando o drible de seus companheiros é realizado para as zonas horizontais do campo.

Os pontas devem se caracterizar pela velocidade, controle e por boa finalização, além de uma ótima habilidade em situações de 1:1. A velocidade deve ser explorada sobretudo quando se ataca em velocidade às marcações centrais adversárias, ou em situações de infiltração com a bola dominada e tocada de pé em pé, o controle é necessário quando recebem a bola de um meio-campo ou qualquer outro jogador, alternando as zonas laterais ou centrais do campo. O sentido de finalização é utilizado para tirar proveito do espaço atrás das linhas defensivas adversárias e penetrar em condições de finalização na área, por isso os três atacantes resultam de fundamental importância e assim se atua no 4-3-3.

O meio-campo criador que atua na frente da sua defesa, é útil na armação das jogadas curtas e longas e colocar a bola no chão, ele deve dar o ritmo adequado à equipe e atuar como “criador das jogadas” de sua equipe, é difícil que se projete na zona de definição (mas não impossível), e é, responsável pelo primeiro combate quando se perde a bola.

Os alas atuam como meias que jogam em todo campo, a característica principal é ser muito versátil, seja na fase de ataque como na zona defensiva. Na fase de ataque, deveriam ser hábeis para posicionar-se, seja nos espaços centrais, ou na diagonal criada pelos movimentos dos pontas, além de possuir uma mentalidade ofensiva permanente, capacidade de penetração, boa finalização e passe, os quatros defensores, sendo que a equipe é obrigada a defender-se com sete jogadores, entre os quatro defensores e os três meias deveram demonstrar ser eficazes na marcação a respeito de quem joga no 4-4-2, além que não é fácil um quinto homem, escalado na parte defensiva, pois será inevitável possíveis encontros de 2:2 no meio campo.

Além de ter uma boa diagonal defensiva larga. Que significa que o primeiro defensor central, fará a cobertura de seus companheiros, a diagonal central ficará mais curta, e os dois zagueiros (esquerda e direita) devem realizar uma marcação escalonada sobre os atacantes adversários.


A PROJEÇÃO E OS MOVIMENTOS DOS 3 ATACANTES


Para realizar uma boa ação de ataque é necessário considerar os fatores reais de tempo, espaço e modo:


● TEMPO: saber sobre todo o momento apropriado para desmarcar-se, por exemplo, quando o jogador que conduz a bola, levanta a cabeça para olhar o panorama do jogo, seja antes de receber a bola, no seu tempo, somente quando o olhar de quem vai passar a bola, vá em direção do receptor, aí sim se realizará o movimento de desmarcação. O movimento de livrar-se da marcação, com uma finta. Tem que ser efetuado este movimento com antecipação, ao jogador que vai assisti-lo, pois é fundamental sincronizar os movimentos necessários para enganar a defesa adversária, em relação ao jogador que conduz a bola.


ESPAÇO: quando se fala de espaços se deve perguntar: onde se desmarcar? Será necessário buscar um espaço vazio, como normalmente vem definida a zona de campo livre, com suficiente espaço para receber o passe.

A disposição de ataque com 3, com um centro-avante, permite ter espaços suficientes para lançar os outros dois.


MODO: através de penetrações em diagonal, que nas ações dos alas se denominam “cortes”, que são efetuados do centros para as laterais do campo, a infiltração em diagonal do atacante leva vantagem de usar seu próprio corpo para a proteção da bola, entre ele e o defensor, que por sua vez perde sua eficácia no intento da antecipação.


Para ter uma precisa sincronização na desmarcação é possível exercitar, por exemplo, implantando três meias que passam a bola entre si, as costas da meta adversária, assim não podem ver o movimento de seus próprios atacantes, quando um dos meias que tem a bola girar para efetuar o passe, o atacante deverá sugerir com um gesto onde enviar o passe, que pode ser através de um movimento de desmarcação em diagonal. Para completar o objetivo do exercício, escolher três espaços do campo onde, três defensores, quando de posse da bola buscam seu companheiro mais próximo, somente quando a bola for jogada, enquanto o atacante estava em liberdade de ação e escolha. O objetivo principal é que o atacante seja treinado para desmarcar-se, apenas a tempo para o local apropriado, as possibilidades de ação do atacante podem ser:



1. Perto do passe da bola;

2. Fintar e receber o passe;

3. Penetrar em velocidade; e

4. Projetar-se na ação ofensiva.


A primeira permite ao ala a direção de receber, pois dando as costas a meta, não pode infiltrar-se em profundidade, por tanto deve apoiar-se para compor o ataque, a segunda direção permite liberar o stopper, se a manobra de entrada é efetuada em velocidade, a terceira direção é eficaz, enquanto o corte vem efetuado as costas do rival, assim resultará em difícil recuperação da marcação, e na quarta situação, penetra-se nas costas do stopper, mas não em vertical a meta, sendo que a um espaço vazio a ser criado, assim que o central vai se deslocar para trás e não ocorrerá a conclusão imediata da ação. Quando o ala recebe a bola o pé, sendo que se encontra em um espaço vazio (zagueiro não acompanhou de perto), tem duas possibilidades: o 1:1 ou a triangulação. Os movimentos de desmarcação do centro-avante devem ser para sair da zona do stopper , posicionar-se no centro do campo, para servir de apoio ao que conduz a bola, ou através do centro avançando rumo à meta, quando a bola está de posse dos alas.

Explicado estes aspectos fundamentais relativos aos espaços e tempos, efetuado previamente em explicações de Ardósia, a continuação se propõem algumas combinações ofensivas, a partir dos três atacantes, para sucessivamente adicionar mais jogadores, até obter um desenvolvimento ótimo de jogo de 11 contra 11.

Na configuração de base do 1-4-3-3, podemos notar que as triangulações que formam os jogadores graças ao escalonamento que se cria naturalmente, isso se nota através da amplitude no ataque e os espaços livres ao lado do centro-avante.

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

CAMPANHA NA III COPA PAULO RINK



Chegou ao fim ontem (15 de novembro) mais uma edição da Copa Paulo Rink. Competição oficial das Escolas de Futebol do Clube Atlético Paranaense. Essa edição foi disputada no município de Cornélio Procópio no Estado do Paraná.

A equipe Sub 15 teve uma campanha memorável, disputando seis partidas em quatro dias, somando 12 gols (média de 2 gols por partida) e sofrendo apenas 1 gol.

Primeira Fase

A estreia foi no sábado dia 12/11 no período da manhã contra a Escola de São Luiz do Maranhão, onde conseguimos uma grande vitória pelo placar de 4 X 0. No mesmo dia no período da tarde, enfrentamos a equipe da casa, Cornélio Procópio, mais uma vitória por 1 X 0. No domingo pela manhã, enfrentamos a equipe de Porto Alegre, outra vitória pelo placar de 2 X 0.

Quartas de Final

Segunda-feira pela manhã nas quartas de final voltamos a enfrentar a equipe de Porto Alegre, outra vitória por 2 X 0. Avançamos para a Semifinal.

Semifinal

Segunda-feira no período da tarde enfrentamos a equipe de Francisco Beltrão, que havia eliminado a equipe de Curitiba, fizemos um jogo perfeito, vitória incontestável pelo placar de 3 X 0 sem dar chances para o adversário.


Final

Na terça-feira pela manhã, enfrentamos a equipe de Santa Helena, valendo o título da III Copa Paulo Rink. Num jogo muito disputado, sucumbimos perante um contra ataque do adversário na metade do segundo tempo. Após sofrermos o gol, fomos com todas as forças para cima do adversário, que se fechou muito bem e garantiu o título para o município de Santa Helena. Um segundo lugar honroso. Minha equipe teve o ataque mais positivo (12 gols em 6 jogos) e a defesa menos vazada (1 gol em 6 jogos).  Agradeço a todos os meninos que disputaram com muita dedicação essa competição. Ano que vem tem muita coisa boa pra acontecer. 



quarta-feira, 2 de novembro de 2011

JOGO CONCEITUAL PARA VALORIZAÇÃO DA POSSE DA BOLA

Princípio: Valorização da Posse da Bola e Retirada do Setor de Pressão

Sub-Princípio: Técnica do Passe e Domínio

Complexidade: 3 (média alta)

Objetivo: Equilíbrio Posicional

Tempos: 4 X 5'

Adaptação Biológica: Mobilidade Específica

Materiais: Discos. coletes e bolas

Descrição

Número de Jogadores 12 (8:4)  Dimensões: 30 m X 20 m

Jogo Conceitual 8:4. Onde dentro do espaço demarcado ocorrerá um 2:4 e fora do espaço estarão posicionados 6 coringas (2 em duas laterais do espaço e 1 em cada uma das duas restantes). A equipe de posse de bola (6 + 2 de dentro do espaço) tentam manter a posse da bola sob oposição dos 4 defensores somando pontos a cada oito passes realizados. A equipe defensora, quando recuperar a posse da bola deve circulá-la perante a oposição dos dois jogadores de dentro do espaço